E tudo Rúben desbloqueou…

Não poderia ter tido maior impacto, a estreia de Rúben Ribeiro com a camisola do Sporting. Surpresa para muitos no onze, mas não para todos, o novo 7 leonino não defraudou e tal como o Rodrigo mencionou e bem no post ao intervalo do jogo com o Aves, o Sporting garante um excelente reforço no ataque ao título.

Ainda fora das dinâmicas colectivas, da exigência e da rigidez que o modelo de Jorge Jesus preconiza pelo ainda pouco tempo de trabalho disponível, notou-se natural descoordenação em alguns momentos entre aquilo que Rúben pensava e aquilo que a equipa leonina já tem muito mecanizado. No entanto, realça-se a personalidade de alguém que, chegando pela primeira vez a um clube que luta por títulos, não teve medo de ser quem é, nem de querer jogar como tão bem joga.

Jorge Jesus confessou no final do jogo não ter dado muitas indicações ao seu jogador com o intuito de não criar lhe criar desconforto e confusão nas suas acções pedindo-lhe apenas que efectuasse as movimentações que tão bem estava habituado no Rio Ave. Rúben, actuando numa zona diferente de Bas Dost, moveu-se a toda à largura, embora o seu raio de acção fosse mais pela meia direita em combinações com Piccini e Gélson e foi daí que nasceu o golo leonino, num lance individual do ex vilacondense que sozinho criou e mexeu com a estrutura avense, para assistir Bas Dost para um lance que vale a pena ser visto e revisto. Foi o lance que desbloqueou o jogo.

Até aí, o Sporting tinha tido imensas dificuldades em criar situações de finalização. Em construção, pelo corredor central ou pelos corredores laterais, sucederam-se algumas más decisões, fruto de erros técnicos e também do perfil de decisão de alguns jogadores leoninos, claramente com maiores dificuldades quando é preciso pensar e definir mais rápido em espaços mais curtos. Assim, não foram surpresa algumas saídas bem delineadas pela equipa de Lito Vidigal. A atacar rapidamente a profundidade, ou saindo de pressão e preferindo variar o centro do jogo para o corredor oposto e sempre solicitando a velocidade dos seus jogadores mais avançados, o Aves criou alguns problemas ao Sporting nesse sentido.

Voltando a Rúben, para além da criatividade, qualidade e imprevisibilidade que oferece com bola ao jogar do Sporting, importa ressalvar o trabalho para receber. Dentro ou por fora do bloco adversário, sempre a oferecer-se ao portador, a criar linha de passe frontal ou lateral, em constantes contra movimentos a simular que vai atacar o espaço (ver o vídeo com o golo) e a voltar para vir buscar no pé, é um jogador que não pára de criar condições e soluções aos colegas. Como referi acima, notou-se alguma desconexão entre o que Rúben queria e o que a restante equipa pensava (treino, repetição, hábito). A partir daqui e com o trabalho diário, com o maior conhecimento das ideias da equipa, dos colegas e destes em relação a si, creio que as coisas só podem melhorar. Veremos se continuará a ser opção para fazer dupla com Bas Dost, sendo certo que também será opção a partir da esquerda como o fazia e bem no Rio Ave. Particularmente, e não sei se isso acontecerá, estou curioso para perceber se Jorge Jesus pensará em juntar no mesmo onze, William, Bruno Fernandes, Gélson, Rúben Ribeiro e Podence.

 

José Carlos Monteiro
Sobre José Carlos Monteiro 16 artigos
Treinador de Futebol, Uefa B, com percurso e experiência em campeonatos nacionais nos escalões de formação. Colaborador como observador e analista em equipas técnicas na Primeira Liga. Alia a paixão pelo treino e pelo jogo à analise de jogo.

1 Comentário

  1. “Particularmente, e não sei se isso acontecerá, estou curioso para perceber se Jorge Jesus pensará em juntar no mesmo onze, William, Bruno Fernandes, Gélson, Rúben Ribeiro e Podence.”

    Seria o sonho molhado de muitos nós mas depois quem defendia? – pensará JJ!

    Ruben Ribeiro a mostrar que é solução imediata para a conquista do título. Bom primeiro jogo. Esperemos é que o mister não se esqueça do Podence!

    CTC

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*