Paciência, na noite em que o título voltou a abrir

Gonçalo Paciência entrou com meia hora para jogar, na expectativa de ajudar o FC Porto a garantir pontos na Mata Real.

Num jogo que estava tacticamente difícil de desembrulhar pelo aglomerado de pernas que os castores reuniam em corredor central, Paciência teve poucas possibilidades de intervir. Qualidade de costas para a baliza, a conseguir tocar bem a primeira bola, sempre que foi solicitado, mas no lance em que poderia reescrever a história do jogo, esteve desastroso na finalização.

Assim foi o jogo de Gonçalo:

 

Rodrigo Castro
Sobre Rodrigo Castro 217 artigos
Rodrigo Castro, um dos fundadores do Lateral Esquerdo. Licenciado em Ed física e desporto, com especialização em treino de desportos colectivos, pôs graduação em reabilitação cardíaca e em marketing do desporto, em Portugal com percurso ligado ao ensino básico e secundario, treino de futsal, futebol e basquetebol, experiência como director técnico de uma Academia. Desde 2013 em Londres onde desempenhou as funções de personal trainer ligado à reabilitação e rendimento de atletas. Treinador UEFA A.

6 Comentários

  1. É um jogador interessante sem ser a última bolacha do pacote – nem sequer a penúltima, aliás – mas acho que pode render e dar muito mais… Só que nesta equipa do FCP não é fácil jogar à bola, por muito que nos queiram convencer do contrário. O tempo vai passando e o FCP do SC é cada vez mais parecido com o FCP do NES.

  2. Este jogador não tem talento para jogar em nível de dificuldade elevado em alta competição. É um jogador aceitável e sofrível para equipas da segunda metade da tabela da primeira liga e para equipas da 2a liga. Não tem uma taxa de finalização aceitável nem joga com critério ou discernimento.

  3. Precisamente Tiago. Num modelo que favoreça os apoios frontais dados pelo pl, com jogo mais trabalhado e de envolvencia o Goncalo seria Miotto útil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*