Stephen Eustáquio, o miúdo que só sabe jogar bem

Tende-se a confundir jogar bem com ter momentos de brilhantismo e criatividade.

Não que no jogar bem, tais momentos não possam e devam estar presentes. Contudo, é bastante mais do que isso. Jogar bem tem tudo a ver com a percentagem de acerto das acções que se realizam. Fazer três golos e perder noventa bolas na mesma partida, não é jogar bem. É ter impacto no resultado. E ter impacto no resultado, a menos que seja algo que surja de forma consecutiva, não garante nada sobre o que virá. Já passar jogos a fio a jogar bem, mesmo que longe da notoriedade, garante que estamos na presença de um jogador de nível diferenciado.

Não há espaço nos maiores clubes para quem não soma consecutivamente boas acções. Pouco importa um lance extremamente bem desenhado se a ele se juntam outras perdas e se expõe a equipa. Num clube de menor dimensão, talvez o lance da notoriedade, porque surgem em menor número possa compensar os erros. Nos grandes clubes, não.

Não há portanto muitos jogadores na Liga que joguem consecutivamente bem. E que tenham potencial para chegar a um dos três, ou quatro, mais fortes do campeonato.

Stephen Eustáquio é uma das excepções. O miúdo que se estreou na primeira divisão aos vinte e um anos, teve a felicidade de chegar à realidade certa. Isto é, ao modelo de jogo e à liderança de Luís Castro. Um dos treinadores em Portugal que são catalizadores do talento.

Mas, também para Luís Castro será uma felicidade poder ver crescer de perto Eustáquio. A qualidade com que define, a forma como pensa o jogo, como toca a bola, como decide e executa, fazem do jovem um dos jogadores que mais importa conhecer em Portugal.

Eustáquio, mais perto ou mais longe da notoriedade, joga sempre bem. Praticamente sem erro, sempre a dar seguimento, e a descobrir caminhos.

Se ainda não conhece o Xavi de Trás-os-Montes, não perca mais tempo:

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3561 artigos
Pedro Bouças - Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, Cursos de Treinador e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã" da PrimeBooks. Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

5 Comentários

  1. Corrige me se estou enganado, mas vejo aqui mais qualidade, regularidade e acerto que no Chico Geraldes..

    Estará este mais perto de ser opção num grande???

    • nem se pode comparar com o Chico Geraldes… Muito mais jogador, muito mais rendimento e com meses de 1a divisão, e mais novo!

      • não tarda chegam ai os adoradores do Chico para me bater… ai que é uma grande injustiça e não sei quê… vamos ver onde vai ele jogar, e onde vai jogar o Stephen

  2. Incrível, andou pela 2 liga tal como o Paulinho ex-Gil Vicente…O Stephan faz me lembrar o Óliver e o Thiago, da forma como ele pensa à frente de todos os outros e a técnica como faz os passes, parece que esta a dançar…Não tenho duvidas que rapidamente vai assumir num dos grandes!!

2 Trackbacks / Pingbacks

  1. Luís Castro – Eustáquio – Matheus Pereira – A ideia que potencia o talento – Lateral Esquerdo
  2. O segundo dado estatístico mais relevante do jogo de Futebol – Lateral Esquerdo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*