O Gestor de Expectativas

O Treinador de Guarda-Redes acaba por se tornar, muitas das vezes e com a aproximação do inicio do calendário competitivo ou até durante o mesmo, um gestor, gerindo não só os Guarda-Redes em contexto de treino / preparação, mas também a nível psicológico, trabalhando a área do desenvolvimento individual, perspectivas pessoais, dinâmicas sociais dentro do próprio grupo de trabalho e expectativas em torno de ser o escolhido ou não no fim de semana.

Num modelo tradicionalista, chamemos-lhe assim, o Treinador de Guarda-Redes tem à sua disposição dois a três Guarda-Redes (dependendo do contexto em que está inserido), sendo que o primeiro será, por norma, a escolha da equipa técnica para o jogo a disputar. Terá também o seu “número 12”, que disputará o lugar com a primeira escolha e, finalmente, um terceiro guardião para potenciar. Podemos então considerar que as duas primeiras escolhas são para rendimento e uma terceira numa perspectiva de desenvolvimento. Mas como desenvolver, homogeneamente, os três guardiões, suas metas, ambições e expectativas?! Quem gere, seja um grupo de 3 jogadores dos quais só um joga ou um plantel de 23 dos quais só 11 jogam,  tem várias situações-problema com as quais se irá deparar e das quais vai ter de tirar o melhor partido possível, tentando desenvolver aqueles que estão sob a alçada do seu grupo de trabalho. Daí o título deste artigo.

Marco Savorani passando ideias a Alisson Becker, ainda na AS Roma. A comunicação com os nossos Guarda-Redes é vital, não só com o Guarda-Redes Atleta, mas com o Guarda-Redes Homem, aquele que sente, vive e influencia a forma como o Atleta se apresenta diariamente, no seu corpo e na sua mente.

Muitas vezes, quando trabalhamos com os nossos atletas, sejam eles jogadores de campo ou Guarda-Redes, trabalhamos todos os aspectos de uma forma que tentamos que seja o mais homogénea possível. Muitas das vezes, durante o nosso planeamento, queremos incidir no desenvolvimento do nosso atleta, mas quais as prioridades? O nossa segunda escolha está visivelmente frustrada porque não joga com regularidade ou, em alguns casos, nunca jogou até à data porque o dono da baliza já lá está e está cimentado. Como contornar, ou melhor, canalizar o mindet dos nossos Guarda-Redes para uma perspectiva de crescimento individualizado através do colectivo? A resposta está na Meta competência do Treinador Específico.

Se Manuel Sérgio nos diz que liderar significa guiar e fomentar o desejo de aprender e evoluir, formando indivíduos autodidactas, cabe ao Treinador de Guarda-Redes ter isto em conta, denotando e agindo sensivelmente sobre os aspectos metafísicos do Guarda-Redes. No meu caso e no meu clube, por exemplo, eu tenho a sorte de ter uma equipa B, constituída em grande parte por jogadores juniores com talento e por jogadores seniores recém chegados do plantel de juniores. Esta é uma arena fantástica do ponto de vista vivencial para se explorar e desfrutar de tempo de jogo, e é com esta arena que o meu segundo Guarda-Redes se depara, caso não seja ele o titular na equipa principal. O meu terceiro guardião, por escolha minha e com vista ao plano desportivo delineado, é um jovem de 17 anos que compete na equipa de Juniores pelo segundo ano consecutivo (na Noruega os jogadores são juniores até aos 19 anos de idade), o que lhe dará o tempo de jogo que ele vai necessitar para crescer. Este sistema organizacional permite-nos focar muito mais nos aspectos tácticos e também nos aspectos mais individuais, balizando aquilo que são as expectativas e o desenvolvimento humano de cada um deles. Na mesma medida em que o mesmo Manuel Sérgio afirma que “É o homem que se é que triunfa no treinador que se pode ser”, o mesmo se poderá dizer do Guarda-Redes. Banco não significa estar parado e deve ser cultivado dentro do grupo de trabalho como uma janela tridimensional para nos revermos e reavaliarmos, desapegando-nos do que somos e do que sentimos para nos tornarmos mais e melhor. No Lyn Toppfotball (a minha realidade) existe um foco enorme nesta abordagem, pelo que eu gosto de afirmar que eu não tenho um primeiro e segundo Guarda-Redes, mas tenho um “1” e um “12”. Os dois têm características diferentes em quase todos os aspectos, exceptuando quiçá as valências técnicas. Existe também um cuidado na forma como estão trabalhados (incentivando o Atleta a dar o melhor de si, consoante o que tem para oferecer ao grupo, sem nunca abnegar aquilo que o poderá enriquecer, claro…) por exemplo, se formos enfrentar uma equipa que aposta mais num jogo directo em bloco extremamente baixo, adoptando uma postura mais defensiva e explorando o contra-ataquem e em que seja necessário um controlo da linha defensiva muito mais acentuado, assim como uma forte cobertura defensiva já que nos vamos apresentar com uma distância de 30/35 metros entre o nosso ponta e a nossa linha defensiva, eu utilizo aquele que sei que tem um controlo de profundidade muito mais trabalhado, que coloca melhor a voz e tem um feedback mais rico, comunicando muito melhor com a linha defensiva e linha de meio campo evitando espaços entre linhas, coordenando melhor a pressão na reacção à perda de bola e que tem melhor qualidade na distribuição com os pés com bola corrida, oferecendo mais opções para relançar a bola para zonas comprometedoras e passiveis de criar situações de perigo. Não significa, porém, que quem vai estar no banco ao meu lado vai estar debaixo de uma manta porque vai fazer frio (e faz!). Significa sim que é um momento de auto-reflexão, aprendizagem e enriquecimento, tanto do Guarda-Redes, como do Treinador. Todos os feedbacks que serão dados em treino (seja em contexto de treino específico ou integrado em jogo) ou em competição será sempre aberto, deixando o Guarda-Redes que não está a ser preparado para jogar / a jogar participar, promovendo um momento de união, solidariedade e companheirismo, assim como de permuta de conhecimento. Nós treinamos, preparamos, mas não somos chefes…somos guias numa constante descoberta guiada, acelerando ou desacelerando o processo de aquisição como nos convém, para que saiamos todos mais enriquecidos.

Trocar ideias, ouvir, chegar ao Guarda-Redes balizando sempre um bem maior em todos os aspectos – o Atleta e o seu crescimento em todas as vertentes, apreciando o que ele tem de melhor e valorizando-o introduzindo novas ideias. Uma espiral de aprendizagem e desenvolvimento!

Na hora de um dia dizer adeus, em que o Guarda-Redes ou o Treinador tenham a oportunidade de sair para outra realidade, o nosso interesse será (ou deveria ser) sempre o de influenciar para melhorar. Lembro Ronaldinho Gaúcho que disse nas redes sociais aquando do aniversário de Rijkaard: “Hoje é o aniversário deste cara fantástico, amigo, humilde, melhor treinador que tive e o que mais tempo trabalhei!!! Muitos títulos importantes comemoramos juntos! Parabéns Frank Rijkaard!”. Este tipo de influência é aquilo a que devemos almejar, sem esforços extra, simplesmente sendo Humano consciente mas dotado do conhecimento específico da cientificidade do Jogo de Futebol e do Treino de Guarda-Redes mas também na Hermenêutica do Ser Humano . Gerir o Homem ambicioso com o Homem sensível para tornar o Homem ambicioso um Atleta completo!

Pedro Espinha
Sobre Pedro Espinha 4 artigos
Coordenador do Departamento de Treino de Guarda-Redes e Treinador de Guarda-Redes do Lyn Toppfotball, e da NFF (Federação Norueguesa) nos escalões de formação. Passagem pelo Stabæk Fotball (Treinador de Guarda-Redes e Treinador de Formação), Bergsøy IL (Treinador de Guarda-Redes, Analista, Treinador de Formação e Coordenador de Children Football) na Noruega, e pela formação do SL Benfica, onde foi treinador e exerceu funções de Técnico Auxiliar de Coordenação. Apaixonado pelo treino, desenvolvimento e pelo Jogo, e sobretudo pela posição específica do Guarda-Redes, possui o curso UEFA B e A de Treinador de Guarda Redes.

2 Comentários

  1. E depois existem aquelas estórias que nos fazem sorrir como o diálogo travado entre o falecido Joaquim Meirim e o seu habitual 2°guarda redes num clube acima do Mondego em que ele dizia perante o grupo, numa palestra antes do jogo: “Temos connosco o Pedro (nome fictício) que é para mim o melhor gr da Europa! É espectacular aquilo que faz nos treinos, o seu empenho e capacidade de trabalho!”
    O Pedro interrompe o treinador e diz-lhe: mas, Mister, você fala isso tudo e eu continuo no banco, não entendo.
    O treinador aproveita a ‘embalagem’ e remata: sim, é verdade mas o Paulo (nome fictício do gr titular) é o melhor do Mundo.
    E a plateia esboçou um largo sorriso

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*