Miguel Luís – O homem dos equilíbrios que faz jogar

Jogar simples é uma das coisas mais difíceis no futebol

Marcel Keizer

 

Jogamos de forma simples

Miguel Luís

Tantas vezes, e com enorme razão, ouvimos afirmar que no futebol jogar simples é o mais difícil. Numa era em que o egocentrismo e a vontade desmedida de se aparecer faz escola, mais difícil se torna encontrar quem se predisponha a jogar em função de um bem comum, se isso o mantiver longe dos holofotes.

Perceber jogadores como Miguel Luís, é tantas vezes olhar para o passe que sai depois do passe do próprio. Porque a forma como decide e entrega simples, mas sempre direccionando o sentido do ataque, é o que possibilita conectar o jogo até ao último terço. Não faz o último passe, mas é fantástico nas possibilidades que cria para que esse último passe possa vir a surgir (confirmar no video, o número de vezes em que depois de por uma boa decisão sua, outro colega “brilhou” com o passe vistoso).

A qualidade do seu passe é evidente e uma das suas mais fortes armas, mas é a tomada de decisão e inteligência que o distinguem ainda mais.

É o médio defensivo de uma nova era! Com agilidade e destreza motora para rodar e dar outro sentido ao ataque, mesmo quando é pressionado e lhe fecham o campo, mas que também entende tacticamente o jogo na perfeição. Aquela leveza e capacidade para dar seguimento com bola, é acompanhada por um jogo de equilíbrios notável. Um jogador perfeito tacticamente, que em cada espaço, em cada situação, com ou sem bola, tem as melhores respostas para oferecer (confirme no video o último lance em que incorpora linha defensiva).

Não precisa de ser fisicamente robusto para ser competente em todos os momentos, e porque traz a mesma qualidade em cada um destes, é hoje já um produto mais diferenciado e de maior potencial, do que por exemplo, Pedro Rodrigues, o médio que por andar apenas num sentido, não se impôs ainda na cidade berço.

Mais um produto da nova geração de ouro do futebol nacional (99), de qualidade indiscutível. É este o perfil do “seis” do futuro que ansiamos.

 

 

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3697 artigos
Pedro Bouças - Licenciado em Educação Física e Desporto, Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, bem como participado em 2 edições da Liga dos Campeões em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, Cursos de Treinador e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã", e Co-autor do livro "O Efeito Lage", ambos da Editora PrimeBooks Analista de futebol no Canal 11 e no Jornal Record.

6 Comentários

  1. Muito bom na maneira como liga o jogo em progressão, no Benfica fazia maravilhas…Temos uma fornada de “6” de altíssima qualidade em Portugal e ainda bem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*