Identidade Ofensiva Sérgio Conceição, e o nível de Óliver

Com o decorrer do tempo, o FC Porto foi alterando alguns posicionamentos na sua dinâmica ofensiva, provando o que tempos Luís Castro afirmou ao Lateral Esquerdo sobre “o modelo tem vida própria. A construção em zonas baixas é hoje feita com os laterais projectados. Trocou o 4+2 por um 3+2, com largura para os centrais e equilíbrio central dado por um dos médios, habitualmente Herrera.

Construção em zonas baixas

A progressão até que a bola chega a zona intermédia é feita no pé, e respeitando posicionamentos do modelo.

Constantes triângulos em zonas de construção; Triângulo na criação – Solicitações longas, encontram a chegada de Corona, Adrián, Manafá ou Alex a responder à segunda bola, de forma mais rápida que linha média adversária

É quando a progressão se aproxima do meio campo, que o FC Porto apresenta variabilidade, não tendo qualquer problema em recorrer às bolas longas que procuram um movimento nas costas da defesa adversária.

Tais bolas proporcionam uma de duas situações:

  • Quem se movimentou consegue receber e o FC Porto fica logo no último terço com linha defensiva adversária já desorganizada (ver golo de Soares!) ;
Início do lance do golo de Soares
  • Linha defensiva ganha primeira bola (vinda do passe longo) e ai surge a chegada dos dois jogadores do corredor central que não pediram nas costas + chegada dos laterais). Demasiadas vezes, os azuis vencem essa bola porque chegam primeiro que médios adversários, e ficam a construir logo em zona de criação contra apenas quatro que ainda vêm a reajustar posicionamento porque foram forçados a baixar rapidamente para interceptar passe longo.

A importante crescente de Óliver no modelo trouxe ao FC Porto muito maior capacidade para rodar sistematicamente o centro do jogo, proporcionando situações com mais espaço e boa relação numérica a quem recebe “longe da confusão”. Os passes do Espanhol encontram sempre o seu destino e sejam direccionados para o corredor lateral para daí seguir ligação com zona de finalização, ou desde logo direccionados para as zonas de finalização, quando a bola sai dos pés de Óliver, seguem-se oportunidades!


Estamos de novo no Twitter.
Já nos segues?

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3704 artigos
Pedro Bouças - Licenciado em Educação Física e Desporto, Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, bem como participado em 2 edições da Liga dos Campeões em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, Cursos de Treinador e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã", e Co-autor do livro "O Efeito Lage", ambos da Editora PrimeBooks Analista de futebol no Canal 11 e no Jornal Record.

11 Comentários

  1. “A importante crescente de Óliver no modelo trouxe ao FC Porto ”

    provavelmente deveria ser

    “A importancia crescente de Óliver no modelo trouxe ao FC Porto ”

    apagar este comentário

  2. Não acho que as equipas do Sérgio Conceição tenham indentidade, jogam sempre em busca da profundidade, futebol apoiado nem vê-lo, quando estão a ganhar as suas equipas recuam sempre no terreno e por isso é que já perdeu tantas competições.

    Venceu a Liga a época passada porque o Benfica tinha menos qualidade individual e era treinado pelo Rui Vitória, mas o Sérgio é um treinador bastante limitado do ponto de vista tático.

    O melhor treinador em Portugal é de longe Marcel Keizer, é muito metódico e versátil taticamente, não encontro melhor lá fora, o problema do Sporting é não ter alas fortes a jogar em espaços curtos, são todos rápidos, mas pouco criativos e contra equipas de bloco baixo torna-se fatal.

    Para além de Keizer, gosto do Silas em Portugal e o resto é tudo banal.

    Não existem segredos, basta ter alas criativos e dinâmicos e os jogos contra autocarros tornam-se fáceis, Keizer por muito bom que seja, não faz milagres com os extremos que temos.

    Para a próxima época com 3,4 alas como deve ser e o Sporting limpa a Liga a brincar, como podem desvalorizar um treinador que faz 30 golos em 7 jogos?

  3. Foi, provavelmente, um dos melhores jogos que vi o FCP fazer esta época, sufocando quase por completo um SCBraga que não teve arte nem engenho para contrariar o adversário.
    Contam-se pelos dedos de uma mão as vezes em que conseguiu ganhar 2as bolas, duelos individuais e superioridade numérica durante o jogo. A pressão exercida pelos portistas no momento da perda de bola, quer nos corredores laterais ou no corredor central foi de tal forma constante e bem feita que à meia hora de jogo fiquei com a sensação que os bracarenses estavam animicamente derrotados. Nunca conseguiram circular ou ter bola por mais de 15,20 segundos, raramente tiveram tempo e espaço para pensar o que acabou por ser determinante para o domínio exercido ao longo da partida pelo FCP.
    Não percebi, sinceramente, a estratégia colocada em campo pelo Abel Ferreira no sentido de condicionar os jogadores chave do FCP, concretamente o Oliver, assim como não descortinei algum referencial de pressão que pudesse ser usado em determinados momentos do jogo. Parece que a equipa está demasiada mecanizada e, talvez por isso, sente dificuldades em apresentar dinâmicas diferentes quando se lhes deparam constrangimentos constantes e com um grau de dificuldade elevado.
    Foi notório o maior ritmo imprimido pelo FCP no jogo, principalmente pela leitura e velocidade de execução da linha defensiva e média bem acompanhados pela movimentação constante dos seus 2 avançados que iam provocando sempre a dúvida nos seus marcadores directos (se deveriam acompanhar quando baixavam ao meio campo ou não).
    Afigura-se por isso um clássico muito interessante no próximo fim de semana. Duas equipas extremamente motivadas com enredos diferentes mas tendo ambas a mesma ambição, ganhar o jogo.
    Abraço

  4. Deve ter sido dos melhores jogos do FCP dos últimos largos meses. Não vi com atenção mas do que fui espreitando tiveram momentos bem interessantes.

  5. Maldini, tens opinião sobre Soljskaer? Tens visto o MU? Conseguiram a 8ª vitória consecutiva, fora de casa (incluindo jogos de taças). Vitórias em casa do Chelsea, Fullham, Leicester, Arsenal, e Tottenham. É um registo de resultados extraordinário / inesperado.

  6. Sobre o Man U é bom mesmo que vejas e, sobretudo, que uns camaradas que andaram aqui a inscrever-se para trabalhar com o Mourinho revejam tudo o que pensam sobre aqueles jogadores. Nunca me vou esquecer do que se escreveu, tal o elevado nível de bajulação e parvoíce. E sobretudo porque é uma pena um espaço de alta qualidade e que vingou sem propaganda, likes e outras merdas (até ao ponto de influenciar a forma como se pensa e fala sobre o jogo na grande media portuguesa) ser manchado por opiniões com estas características.

    • Edson, uma vez que atiras indirectas ao Laudrup, importas-te que os outros emitam as suas opiniões sem que lhes atribuas constantemente motivos obscuros? Achas realmente que alguém aqui elogiou / elogia / elogiará o Mourinho ou opinará sobre o plantel do MU para encorajar “likes”? Esse papel fica-te mal. Deixa as pessoas comentar em liberdade, especialmente aquelas muito mais qualificadas do que tu para fazê-lo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*