Liderança

Liderança… Processo que nos dias de Hoje tanto se fala, muito se tem escrito e cursado. Na minha opinião, a melhor Liderança é aquela que é feita de forma genuína e que o próprio Líder, por vezes, nem dá conta desse mesmo ato.

Liderar nos dias de Hoje; onde temos uma população com mais conhecimento e com elevado sentido crítico, é muito mais que comandar ou dar ordens, Liderar é sobretudo inspirar quem nos rodeia, motivar e orientar para um bem comum, sobretudo é levar o teu grupo a correr contigo e a correrem por Ti quando necessário.

Como é de conhecimento comum, este não é um processo fácil, nem matemático, existirão sempre muitas condicionantes que poderão influenciar positiva ou negativamente uma Liderança. Contudo, parece-me a mim pertinente, partilhar um conjunto de ideias/características, com base no que tem sido a minha formação contínua, bem como a minha vivência no dia a dia, que julgo serem fundamentais neste processo:

– Conhecedor / Competente – demonstrar todos os dias a nossa competência e conhecimento; através da planificação e organização do treino, feedbacks, análises, etc.., é sem dúvida uma arma importante para o reconhecimento por parte do grupo que lideramos. Atenção que esta ideia não quererá obrigatoriamente dizer, que temos que saber tudo. Por vezes a humildade de reconhecer que erramos ou que iremos tentar (por vezes Todos) descobrir a solução, é bem acolhida por quem nos segue. Ser conhecedor e competente deverá também significar a procura constante de mais conhecimento, querer saber sempre mais, mesmo além do conhecimento específico da nossa área. Por vezes uma pequena ajuda fora do âmbito que nos envolve, poderá valer-nos pontos.

– Forte Comunicador – Por vezes, duas pessoas, o mesmo discurso, poderão ter reflexos completamente diferentes em quem ouve. A forma como comunicamos (verbal e não verbal), pode ter um enorme impacto nos recetores. Falar de forma sucinta e pausada, “olhos nos olhos”, em diferentes tons, garantindo que todos nos vejam e ouçam, agregado a uma linguagem corporal condizente, ajudará sem dúvida alguma a passar a mensagem que pretendemos. Considero também importante, que esta comunicação seja sempre ajustada ao estado anímico do grupo, quantas vezes em momentos de tensão e elevada ansiedade, uma pequena piada inicial ajude a introduzir as ideias mais sérias. Somos claramente nestes momentos verdadeiros Atores Sociais.

– Delegar / Reunir-se de pessoas competentes – Tentar ser o Líder Super-Homem, será por certo um grande erro. Com o manancial de fatores que temos que lidar (Humanos, Psicológicos, Técnicos, Táticos, Físicos, Académicos, Análise de adversários, etc..), quem não delegar acabará por certo por perder-se e deixar de ter controlo no processo. E aqui é fundamental um Líder rodear-se de pessoas competentes, que tragam rigor e qualidade ao processo, não ver estes técnicos como um atentado à sua liderança, mas sim pessoas, que com as suas funções bem delineadas ajudem ao alcançar do tal bem comum. Ainda neste capítulo, e no que diz respeito ao processo da decisão, importante que todos façam parte deste processo, por vezes também será pertinente incluir, dando responsabilidade nas decisões ao próprio grupo.

– Empatia – Esta poderá ser por certo, a característica mais difícil de concretizar e explicar, pois vai muito além da área técnica e profissional, é algo por vezes inato (não quer dizer que não possa ser melhorada), é algo que vem muitas das vezes do traço pessoal do próprio líder, por isso ter dito também no início, que o processo de Liderança é algo genuíno e natural. Sobretudo é importante salientar, que relativamente a esta ideia, por vezes, embora possamos apresentar um processo extremamente organizado, competente, rigoroso e de qualidade, poderá o mesmo cair por terra, se não for acompanhado de proximidade, compreensão e humanismo.

Liderar, acaba também por ser uma gestão da balança “do dar e do tirar”, um pouco à imagem da relação com os nossos filhos, pessoas que mais amamos e que por eles Tudo, mas quando necessário chamá-los à razão e repreendê-los também o teremos que fazer. Saber os momentos certos para agir, e de que forma agir, é sem dúvida o grande desafio de um Líder, que o deverão manter sempre atento, na procura incessante de ser mais e melhor, nunca dando o seu processo como um produto acabado, mas sim em constante evolução, e de que Todos deverão fazer parte.

Filipe Pereira

Professor de Educação Física

Treinador de Futebol UEFA B




Filipe Pereira
Sobre Filipe Pereira 1 artigo
ELEMENTOS BIOGRÁFICOS Nome – Filipe Miguel Fernandes Pereira Filiação – Esmeraldo Nunes Pereira Luísa da Piedade Festas Fernandes Pereira Naturalidade – Freguesia de Couto do Mosteiro, Concelho de Santa Comba Dão, Distrito de Viseu Nascido a 25 de Janeiro de 1977 C.C. n.º 11031622 Situação Militar – Reserva Territorial Morada – Rua Amália Rodrigues Nº 10 – 3º Dtº - 2625 – 404 Forte da Casa - Portugal E-mail – filipemiguelpereira6@gmail.com Telefone – 00351 96 6635218 FORMAÇÃO ACADÉMICA Licenciado em Ciências do Desporto, Menção em Educação Física e Desporto Escolar, pela Faculdade de Motricidade Humana – Universidade Técnica de Lisboa, com média final de 15 (Quinze) valores. FORMAÇÃO COMPLEMENTAR Possuidor do Curso de Socorrismo Básico, administrado pela Assistência Médica Internacional (A.M.I.- 1998); Possuidor do curso de treinador de futebol – UEFA B. ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS NO FUTEBOL E FUTSAL Foi atleta federado na modalidade de Futebol e Futsal. Clubes representados: Clube Académico de Desportos, União Atlético Povoense, Quintanilho, CRCFCasa, AMSAC, AM Portela e Atlético Clube de Portugal. Participou nas seguintes acções como Prelector: Futsal Treino de Jovens – C.M. Vila Franca de Xira (2003 e 2004); Futsal – “Presente e Futuro” - Parede (2004); Conversas de Futsal – Clube Académico de Desportos (2004), Colóquio Futebol de Formação do CRI (2015); Liderança – Universidade de Aveiro (2017), Transição do Futebol 7 para o Futebol 11 (2018), Etapas do Processo de Formação (2018) e Como organização um departamento de futebol jovem (2018); De 1998 a 2004 desempenhou cargos de treinador e coordenador técnico (Futsal – formação e seniores) no Clube Académico de Desportos; De 2001 a 2004 desempenhou funções de treinador adjunto no CRCFCasa (Futsal sénior) Na época 2005/2006, foi coordenador da Escola de Futsal Vítor Santos - C.R.C.F.Casa; Na época 2006/2007, foi coordenador técnico da Escola de Futebol do Clube Desportivo Olivais e Moscavide; Na época 2007/2008, foi coordenador técnico da Escola de Futebol Rui Águas e treinador na Escola Academia Sporting da Póvoa de Santa Iria; Na época 2008/2009 foi treinador na Escola Academia Sporting de Póvoa de Santa Iria; Na época 2009/2010 e 2010/2011, foi coordenador técnico da Escola Academia Sporting da Póvoa de Santa Iria e da Escola Academia Sporting de Loures; Em Junho de 2011 esteve na Guiné Bissau como prospector de talentos e formador de treinadores; Na época 2011/2012 e 2012/2013, foi treinador do escalão sub 10 do Sporting Clube de Portugal; Na época 2013/2014 foi treinador adjunto no escalão sub 17 e treinador principal no escalão sub 16 e sub 12 no Sport Grupo Sacavenense e consultor para a área do planeamento do treino na empresa PovoaFut; Na época 2014/2015 foi treinador principal no escalão sub 16 do Sport Grupo Sacavenense e selecionador adjunto das seleções de Lisboa Sub 16 feminina e Sub 14 masculina; Em Novembro de 2015 esteve no Japão como prospetor de talentos e formador de treinadores; Na época 2015/2016 foi treinador principal no escalão sub 17 e séniores B do Sport Grupo Sacavenense. Foi também Selecionador adjunto da seleção de Lisboa sub 14 – masculino; Em Julho de 2016 representou Portugal nos X Jogos da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) – Cabo Verde; Na época 2016/2017 foi Treinador Principal da Equipa Satélite do Real Sport Club (Séniores) – Club Sintra Football. Cargo que deixou de exercer devido ao alargamento das suas funções na Associação de Futebol de Lisboa – Selecionador Principal Sub 16 - Feminino; Em Julho de 2017 esteve na Austrália onde orientou Clinics de Futebol e colaborou na área do treino com o clube Mount Druitt Town Rangers FC; Desde 2017 é Treinador Principal (Sub 19) e Coordenador Técnico do Futebol Clube de Alverca. É Coordenador de Zona Scouting do Futebol Clube do Porto (desde 2017); Presentemente é Professor de Educação Física (Quadro de Agrupamento), na Escola EB 2,3 de Vialonga. Palmarés Premiado pelo Clube Académico de Desportos com a Medalha de Mérito Desportivo (1993); Como jogador, subida à Primeira Divisão Nacional (Futsal), na Época 2002/2003 pelo Clube Recreativo e Cultural do Forte da Casa, onde para além de jogador, desempenhava funções de treinador-adjunto; Premiado pelo Clube Académico de Desportos com o galardão “Carreira de Sucesso” (2017); Como treinador: Campeão Distrital de Lisboa – Escalão Sub 10 – Época 2011/2012; Vice Campeão Distrital de Lisboa - Escalão Sub 10 - Época 2012/2013; Vice Campeão distrital de Lisboa – Escalão Sub 12 - Época 2013/2014; Campeão Distrital de Lisboa (2ª divisão) e Subida de divisão- Sub 17 - Época 2013/2014; Campeão Distrital de Lisboa (1ª divisão) e Subida de divisão- Sub 17 - Época 2014/2015; Vice Campeão – Escalão Sub 14 – Inter Seleções – Torneio Lopes da Silva – Época 2014/2015; Distinguido pela Câmara Municipal de Loures pelos resultados alcançados nas épocas 2013/2014 e 2014/2015; Premiado pelo Grupo Sport Sacavenense com o Prémio Teófilo Constantino – Treinador do Ano (2016); Subida à primeira divisão distrital de Lisboa - Séniores - Sport Grupo Sacavenense “B”– Época 2015/2016; Campeão Nacional – Escalão Sub 14 – Inter Seleções – Torneio Lopes da Silva – Época 2015/2016; Vencedor dos X Jogos da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) – Cabo Verde 2016; Subida à primeira divisão nacional - Juniores – Futebol Clube de Alverca – 2017/2018; Premiado pela Câmara Municipal de Vila Franca de Xira com o Prémio Carlos Lopes, pelos resultados alcançados na época 2017/2018. Também nomeado na Equipa do Ano. Premiado pelo Futebol Clube de Alverca com o Galardão “Orgulho Alverquense” – Treinador do Ano (2018);

3 Comentários

  1. Parabéns grande “Tozé”!

    Parabéns pelo artigo, e por vires acrescentar mais qualidade a um projecto vencedor… que claramente mudou o futebol em Portugal.

    Quem te conhece pode testemunhar que o conhecimento que aqui partilhas é proveniente de uma prática… que tem acumulado fantásticos resultados… desportivos… mas sobretudo humanos. E é aí, que sinto que o treinador é verdadeiramente decisivo. A quantidade de amigos que foste acumulando nos clubes por onde vais exercendo a tua “liderança”… é o melhor exemplo disto mesmo. Eu tive a felicidade de ser um deles.

    Grande abraço

  2. Acredito muito que a liderança terá mais sucesso, quantos mais valores tivermos como Seres Humanos… Se esta é a chave, os valores sociais-humanos, dentro de uma sociedade, e o futebol é sem dúvida uma micro-sociedade…Como referiste no texto, genuíno e natural. Quem procura evoluir como Ser Humano, estará inconscientemente a evoluir como Treinador/líder de homens… Pelo menos acredito nisto.

    Mais uma entrada com o pé direito do Lateral Esquerdo. Continuem com o também genuíno trabalho!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*