De bola parada para os três pontos

Na noite do Dragão, Sérgio Conceição voltou a apostar num onze com um perfil físico muito acentuado. Manteve a sua matriz táctica em Organização
This content is only available to subscribers. Please contact us at lateralesquerdo.com@gmail.com for details or visit our Patreon page


Para terem acesso a todos os conteúdos que por cá se produzem, e darem uma pequena ajuda tornem-se patronos deste projecto. Recordamos que 1 euro mês será desde logo uma grande ajuda!

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3500 artigos
Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã" da PrimeBooks. Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

10 Comentários

  1. Este ano o premio nobel da fisica devia ir decididamente para a malta da arbitragem pela descoberta inimaginavel ate ha bem pouco tempo de que os braços afinal ocupam espaço, têm volume. Foi uma autentica revolução! Eu ainda acrescentaria que se encontram no estado sólido. Se estivessem no estado liquido ou gasoso era tudo muito mais facil, mas não.
    Agora fora de brincadeiras, o avançado tem de ter a arte de desviar a bola do corpo do jogador, braço incluido.
    Uma ideia interessante seria os defesas começarem a jogar algemados. Haveria mais golos de certeza. Dentro da área tambem so deveriam poder correr em bicos de pés.

  2. De roubo de “Capela” para os três pontos, isso sim… aprecio muito os vossos comentários, mas aquilo que o senhor Capela fez nos últimos dois jogos que arbitrou, ao alterar completamente os seus critérios, desvirtua qualquer análise puramente futebolistica que se possa fazer…

  3. Bom dia, Maldini. Como treinador, qual a hipótese que uma equipa dita mais pequena, no estádio de um adversário poderosíssimo que luta, em vários tabuleiros, pelo título nacional, quando se vê privada de um jogador, a partir dos 5’ de jogo? Que abordagem deveria ter tido Petit? Que esquemas tácticos? Terá ele modelo que resista? Dinâmicas?

    Bolas paradas: num ‘pénalti’ (muitas aspas), o treinador consegue também ele ter alguma espécie de trabalho de equipa, nem que seja mental-dar-as-mãos-corrente-do-amor?

  4. A VAR que jà tinha decidido que em Portugal baixar a cabeça para deixar passar a bola jà nao é fazer açcao de jogo, inventou agora que o ultimo defesa mais atrasado duma linha de três mesmo estando em posiçao lateral e que, como bem posicionado, divide a bola corpo a corpo com o adversario jà é passivél de expulsao.

    O Portugal é a “avant garde” da arbitragem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*