Os mitos do futebol caem aos pés dos predestinados

Apesar do futebol já ser jogado há bem mais de uma centena de anos, existem mitos e ideias antigas que ainda prevalecem nos dias de hoje. Seja em relação a posições e papéis de um jogador no campo, sobre o estilo de jogo associado a uma certa nacionalidade ou continente ou, indo aos extremos, até em relação à cor da pele existem esteriótipos que influenciam a análise de muita gente. Por tudo isto, durante muitos anos as análises ao futebol foram muito simples e subjetivas, tendo em conta aquilo que muita gente ouvia dos mais velhos: os médios defensivos devem ser todos fortes fisicamente, entroncados e jogar o mais simples possível, atirando a bola para a bancada caso seja necessário. Os jogadores nórdicos são todos altos, toscos e fortes, enquanto os jogadores de leste são agressivos, com pouco temperamento mas com muita intensidade, bons para os jogos grandes. Já partindo para o pior destas análises, continuam a haver relatos de guarda-redes de raça negra que não têm as oportunidades que merecem porque, tendo em conta estes mitos centenários, “são todos fracos” (procurem as declarações de Onana, guarda-redes do Ajax, sobre o assunto e podemos refletir um pouco).

O bom do futebol é que quem manda é a bola, e quem toca nela. Mais antigos que estes mitos, só mesmo os diferentes jogadores que os foram não só rejeitando, como desmentindo com toda a classe e qualidade. Beckenbauer partia desde a defesa com uma qualidade técnica que fazia invejar muitos extremos de equipas grandes. Maradona foi para Italia, um campeonato duríssimo em que os “brinca na areia” não vingavam, e tornou um Nápoles mediano numa equipa memorável e que entrou na história da Serie A. Victor Valdes, um mal amado do final da década de 2000, acabou por ajudar a revolucionar a posição de guarda-redes e as suas funções no momento ofensivo, muito por influencia de Guardiola. Mais recentemente, Leo Messi mostrou que o tamanho pouco importa quando a qualidade é superlativa, e vingou contra equipas e seleções de todos os tipos e feitios, mostrando ser um dos melhores de sempre do futebol. Poderia enumerar muitíssimos jogadores que ao longo dos anos foram quebrando barreiras e mitos relacionados com o jogo.

Olhando para o jogo atual, e para a evolução do futebol, há algo muito óbvio que podemos concluir: os jogadores que servem para apenas um momento do jogo, ou para ações muitos específicas do jogo, estão a ter cada vez mais dificuldades a chegar ao mais alto nível. Seja um guarda-redes, um central, um médio ou um avançado, todos têm que ter qualidade com bola, todos têm que saber defender, todos têm que pensar o jogo, e quem pensar melhor e mais rápido irá sempre ter mais sucesso. A posição de médio defensivo é talvez uma das mais exigentes hoje em dia, e uma das que mais evoluiu ao longo dos anos. Vimos em Sergio Busquets o médio defensivo moderno, que não só era tremendo defensivamente, muito forte na pressão e na recuperação após a perda de bola, mas também trazia calma e critério com bola, algo diferente do que acontecia uns anos antes naquela posição (ainda nos lembramos de ver jogadores muito profissionais mas que, com todo o respeito, eram menos habilidosos, como Gravesen no Real Madrid, Gattuso no Milan, Roy Keane no United etc). Ora, desde a ascensão de Busquets, e mais uma vez com uma influência incrível do Barcelona de Pep Guardiola, que vemos o próximo passo na posição de médio defensivo. Saber defender, saber equilibrar, saber pressionar após a perda… E saber desequilibrar com bola. É para este último passo que caminhamos. Com as equipas cada vez mais bem organizadas defensivamente, são necessários cada vez mais recursos técnicos para conseguir desbloquear estas defesas, e isto parte de todas as posições no campo. Um pouco avançado no tempo, existe um jogador que sempre que está em campo nos mostra o caminho para a posição 6: Thiago Alcântara. (video retirado da página “Gegenpressing91”)

O craque espanhol campeão da Europa pelo Bayern, agora no Liverpool, mostra que não é preciso ser um armário nem um monstro fisicamente para saber ser um dos, se não o, melhor médio defensivo do mundo. Muito forte com bola, como é sabido, partilha também de características inatas para parar contra-ataques, posicionar-se no sítio certo e recuperar bolas, sempre pronto a ser ele a iniciar o ataque da sua equipa. Em todos os momentos, Thiago é um craque e uma prova de que os mitos de antigamente estão constantemente em desuso, mesmo que se continuem a ouvir por este mundo fora. Cabe-nos aproveitar, como sempre, a qualidade dos craques que são predestinados a eliminar os mitos do passado.

(deixamos os melhores momentos de Thiago frente ao Manchester United, numa exibição enorme do médio espanhol)

Os nossos Videos são criados com

Avatar
Sobre RobertPires 55 artigos
Rodrigo Carvalho. 23 anos, experiência como treinador adjunto e analista em equipas séniores em Portugal e nos Estados Unidos. Passou pela Federação de Futebol dos Estados Unidos no departamento de Formação de Treinadores. Em colaboração com a Proscout, trabalhou diretamente com equipas técnicas profissionais e produziu relatórios de jogadores. Podem seguir muito do seu trabalho em @rodrigoccc97 no Twitter.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*