Jogar com as marcações e o espaço – Recordar o Belenenses SAD frente ao Sporting

“Às vezes, não sou muito valorizado por aquilo que faço ao longo de um projeto. Como treinador, nunca tive formação, a carreira foi no campo, passei de jogador logo para treinador. Aos poucos, vou melhorando. Foi um trabalho que me deu grande satisfação, deu para tirar um pouco aquela ideia que o Petit só salva equipas.”

Petit, treinador do Belenenses SAD

Se é verdade que a estrutura de 1-3-4-3 parece ser uma moda que veio para ficar no nosso campeonato, por outro lado, e como consequência, o facto de se tratar de uma estrutura numérica simétrica torna muito tentador a utilização (em organização defensiva) em espelho desta mesma estrutura com a adoção de marcações individuais a campo inteiro. A verdade é que o quarteto da frente (Sporting, Porto, Benfica e Braga) já se apresentou neste sistema e com este intuito nos jogos entre si, com o equilíbrio a permanecer (resultados muito nivelados), com o exacerbar dos duelos individuais e da dificuldade em jogar de frente tal era o encaixe posicional. E se o Sporting CP foi a equipa que mais sucesso teve neste registo, é de esperar que durante o verão os principais rivais estudem possíveis alternativas para desmontar a estrutura leonina e algumas pistas podem ter estado no duelo entre os comandados de Rúben Amorim e o… Belenenses SAD. Em ambos os jogos, a equipa de Petit causou grandes dificuldades ao campeão nacional e recentemente, numa entrevista ao podcast “Em jogo, por Luís Viegas“, o treinador-adjunto Franclim Carvalho desvendou algumas das ideias estratégicas por detrás da organização ofensiva dos azuis do Restelo nestas partidas:

Resumindo então em ideias-chave, temos (assumindo uma estrutura de 1-3-4-3 em organização ofensiva):

  • Provocar o espaço de forma indireta – para criar esse espaço nas laterais de Palhinha e para permitir que seja de facto um espaço “útil” (que o portador possa lá receber e enquadrar) é necessário também garantir que os centrais exteriores do Sporting sintam alguma hesitação sobre encurtar à frente da linha defensiva. Para tal, é necessário colocá-los em desconforto permanente no controlo da profundidade com os movimentos de rutura do avançado-centro a surgirem invariavelmente nas costas destes centrais e não tanto na de Coates.
  • Atrair João Mário à pressão à frente – aproveitando o facto de existirem referências individuais na primeira fase de pressão (pressão de 3v3 dos avançados sobre os centrais, os alas retornam à linha defensiva mas com referência dos alas contrários e 2v2 no meio), baixando em apoio um dos médios em comportamento de “6 único” à frente da saída a 3 provavelmente provocará um acompanhamento por parte de João Mário.
  • Criar superioridade nas laterais de Palhinha – criado o espaço é então altura de ativar os movimentos em apoio para as laterais de um agora isolado Palhinha, sendo esse movimento efetuado pelos avançados interiores que depois são responsáveis por dar continuidade à organização ofensiva por via da tomada de decisão (acelerar ou colocar pausa).

Os nossos Videos são criados com

Sobre Juan Román Riquelme 63 artigos
Analista de performance em contexto de formação e de seniores. Fanático pela sinergia: análise - treino - jogo.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*