Vitinha, o futuro Moutinho com toque de Deco

Já não é novidade para ninguém que Vitor Ferreira, mais conhecido por Vitinha, é um dos jovens talentos em que os portugueses podem colocar esperanças para vir a dar alegrias não só no que toca aos adeptos do Futebol Clube do Porto, como também na Seleção Nacional. É impossível ficar indiferente a um jovem que joga frequentemente recorrendo à inteligência e à leitura de cada lance tendo sempre como objetivo deixar o colega e a equipa em condições de progredir no terreno.

Vitinha que nos escalões de formação do FC Porto e da Seleção já vinha a brilhar há vários anos e percebia-se que estava ali um potencial grande jogador. Tanto que os ingleses do Wolverhampton solicitaram o seu empréstimo e fizeram questão de colocar uma opção de compra caso viesse a resultar a sua estadia nos lobos. Ora, apesar dos 22 jogos em que foi utilizado, a época não correu de feição e acabou por ser no Euro 2021 que Vitinha voltou a despertar atenções merecendo depois a aposta de Sérgio Conceição no arranque do atual campeonato até pela quebra de rendimento do dono do lugar, Sérgio Oliveira.

A capacidade para progredir, a relação com bola, o critério e a definição sempre estiveram lá, contudo, com Sérgio Conceição evoluiu no plano tático e principalmente no momento defensivo. Ficou mais disponível para tarefas de recuperação de posse de bola, mais agressivo e com mais capacidade de pressão sobre o portador da bola. E isto, catapultou a qualidade de Vitor Ferreira para um patamar superior que hoje é admirado por toda a Europa.

Neste momento, assume as tarefas de construção do jogo da equipa a fazer lembrar João Moutinho como um pendulo que liga setores e que descobre zonas fora de pressão. Porém, e já vem de trás, Vitinha tem uma grande capacidade técnica, capaz de superar adversários com drible curto e com critério e definição aqui e ali a fazer lembrar Deco.

Vitinha, muitas das vezes, mesmo antes de receber a bola já sabe o que vai fazer e é essa antecipação de acontecimentos que o deixa um passo à frente dos seus adversários causando frequentes desequilíbrios em favor da sua equipa. Percebe posicionamentos e define com qualidade mas acima de tudo com uma velocidade de raciocínio acima da média que em conjunto com a sua excelente relação com bola lhe permite executar rápido e com critério.

Acabado de fazer 22 anos, a grande questão nos tempos de hoje, é e será quanto tempo o FC Porto conseguirá manter o talentoso médio da sua formação nos seus quadros antes de ser “pescado” por um dos tubarões da Europa.

Sobre EdgarDavids 59 artigos
Analista de Desempenho Coletivo e Individual & Técnico de Exercício Físico.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*