It’s ‘Olivera’ against the world. Curtas do Mundial de sub 20.

white corner field line on artificial green grass of soccer field
– Verdadeiramente deplorável o critério (se houve algum) na nomeação dos melhores do Mundial. Se não há capacidade para perceber o óbvio, talvez seja boa ideia proceder às nomeações só no final do último dia. O melhor jogador do torneio, e a léguas de todos os outros, desde a primeira à última jornada foi sempre o mesmo, e foi indicado aqui, logo desde bem cedo, como o mais impressionante jogador na Colômbia. Como somente chegou ao golo, e por três vezes, no último dia, ficou fora do lote. Óscar é dez vez mais jogador, e foi dez vezes mais importante que os nomeados Coutinho, ou Henrique. Lamentável a sua ausência na entrega dos prémios individuais;
– Ainda nas nomeações. Inacreditável a nomeação de Hugo Mallo. Do onze inicial da selecção espanhola, é claramente o menos capaz. O critério arcaico de valorizar quem tem três dribles para oferecer, persiste numa nova era. Valorize-se ainda assim, a presença do argentino Carlos Luque no lote. A par de Óscar, é a grande figura do Mundial. Daqui por algumas épocas estarão no clube que decidirem estar;
– É possível que hoje o seleccionador brasileiro seja apelidado de genial, pelas alterações que promoveu ao intervalo. Na verdade, Franco Ney concedeu aos portugueses uma oportunidade quase única de serem felizes. Tivesse a selecção nacional uma, uma única que fosse, saída para o contra-ataque treinada e rotinada, e dificilmente não teria percorrido com êxito a enorme auto estrada que Ney abriu na sua defensiva;
– Não deixa de ser irónico que depois de ter chegado tão longe na prova sem uma única combinação ofensiva treinada, para além do ‘corre Nélson’, e com uma dose de sorte (misturada com imenso mérito de Mika) bem acentuada em quase todos os jogos, que Portugal possa hoje lamentar o grande azar que foi perder Cédric. Pensar que foi a lesão do grande lateral direito português que nos impediu de almejar a glória, é mais do que legitimo;
– Nelson Oliveira fez as delicias de todos os comentadores não portugueses que exerceram a sua actividade no site da Fifa, e na final do torneio, no canal Eurosport. Justificadamente. Sozinho desafiou o mundo e esteve bem próximo de ser bem sucedido. Força, velocidade, determinação, capacidade técnica e facilidade na finalização. Nélson é o avançado cujas características nos permitem recordar os enormes pontas de lança italianos e alemães, com que nos deliciávamos na juventude. É aquele avançado que sempre nos lamentámos não ter. Garantidamente que terá sucesso. Mesmo que tenha de ser fora de Portugal.
Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3380 artigos
Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã" da PrimeBooks. Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*