Matic. O homem do campeonato novamente a carregar o Benfica para a frente.

Mais uma exibição assombrosa. Capaz de estar em todo o lado. À esquerda, ao centro, à direita. Atrás junto aos centrais, ou na frente. Com bola com criatividade e sem bola agressivo a recuperar e a ocupar o espaço. Não foi só o jogador dos equilíbrios. Na Madeira desequilibrou completamente a segunda parte. Foram as suas investidas rompendo linhas, desposicionando adversários que empurraram o Benfica para a frente. 
Quando se percebia que as dificuldades poderiam aumentar, com a obrigatoriedade encarnada em assumir o jogo tendo de se expor bastante mais aos poderosos contra-ataques dos insulares (grande análise de Jesus ao Marítimo e a Suk. A equipa de Pedro Martins é extremamente competente), Matic pegou na batuta e encostou os madeirenses à sua grande área. 
Provavelmente porque leva já 3357 minutos em cima, ouvimos falar do seu cansaço na primeira parte. Brilhante, jogadores de futebol profissional cansados na primeira parte. E o que se terá passado ao intervalo para tanta energia para a segunda parte? E como pode alguém com tantos minutos em cima numa época que já vai longa correr tanto e ter tanta qualidade no seu jogo? Esperemos pela justificação de quem fez capa na presente semana com o estouro físico do sérvio.
Jesus explicou a queda na primeira parte. “Ansiedade”. A época aproxima-se do fim e a pressão aumenta exponencialmente. Qualquer erro poderá ditar o destino. O trabalho que Jesus tinha para fazer está feito. É tudo uma questão emocional. Como referimos à pouquíssimo tempo o sucesso / insucesso dependerá agora mais da felicidade, sorte / infelicidade, azar, que da competência do seu treinador ou dos seus jogadores. Um golo feliz depois de duas infelicidades de Lima. Continuando a criar jogo ofensivo como criam os encarnados, a felicidade estará mais próxima do que nunca.
Perceberam-se os efusivos festejos dos jogadores do Benfica. Desde Outubro que o Marítimo não perdia na Madeira e mostrou o porquê. Pelo caminho travou o FC Porto. Tem vários jogadores de muita qualidade e é uma equipa com um modelo de jogo muito bem definido. Com soluções para ataque organizado e contra-ataque. Futebol apoiado e directo. Pedro Martins e já o haviamos afirmado no passado, tem uma das mais versáteis equipas da Primeira Liga. Atenção a Suk.
Livrar-se-à Jorge Jesus do epíteto do “rebentar” físico dos seus jogadores na segunda volta, quando se prepara mais uma vez, como quase sempre na sua carreira (a excepção ao leme dos encarnados foi a temporada passada) para fazer uma segunda volta com mais pontos que a primeira? Dificilmente. Se a ousadia é tal que leva comentadores a referir fadiga física como justificação para uma má primeira parte…
Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3758 artigos
Pedro Bouças - Licenciado em Educação Física e Desporto, Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, bem como participado em 2 edições da Liga dos Campeões em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, Cursos de Treinador e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã", e Co-autor do livro "O Efeito Lage", ambos da Editora PrimeBooks Analista de futebol no Canal 11 e no Jornal Record.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*