Lyon – Juventus. Primeiro quarto de hora.

Os primeiros 15 minutos foram bastante animadores. Sobretudo porque percebeu-se a intenção da Juve em jogar, como faz habitualmente, ainda que se trate de uma eliminatória a começar fora de casa. Pelo que isso abre boas perspectivas para o SLB, na procura dos espaços, uma vez que, abordando o jogo da mesma forma, não terá a Juventus afunilada em 30/40 metros constantemente, a tentar jogar apenas em transição.

Sobre a construção da Juventus nestes primeiros 15 minutos, seguiram aquilo que é o seu padrão normal nessa fase do jogo:
1- Procura dos alas no corredor lateral, ou de um médio que baixa para pegar enquanto ala vai na profundidade. Quando o consegue, tem no máximo um apoio próximo ou uma cobertura. Se recebe no último terço, solução é o cruzamento. Nota-se isso pelo movimento dos médios a avançados assim que o ala recebe a bola nessa zona do campo. Quando o ala recebe no segundo terço do campo tem o apoio, normalmente, de apenas um médio. Pelo que dá para aproveitar a falta de apoios próximos que o ala tem criando superioridade nessa zona para recuperar a bola, e sair rápido em transição.

2- Poderá também surgir alguma combinação com um avançado para rodar para o lado contrário, ou o jogar na cobertura para um médio de um médio. O que Conte tenta fazer para ligar o jogo entre centrais e avançados é afastar os interiores para os corredores laterais, com um movimento de ruptura por forma a aclarar espaços para os centrais terem maior sucesso no passe, e os avançados terem apenas pressão nas costas.

3- Procura da profundidade. Quer pelos avançados, quer pela entrada de médios vindos de uma segunda linha. Nesse momento haverá um movimento de aproximação do avançado para contrastar com o de ruptura do médio, por forma a confundir a linha defensiva. Rodrigo e Lima serão muito importantes neste momento do jogo para condicionar o momento de construção de Bonucci, bem como o de Pirlo. A minha solução passaria por fechar Bonucci e pressionar os outros centrais, obrigando-os a jogar nos alas, que sem apoios seriam “presas fáceis” para a recuperação de bola por estarem entregues à sua capacidade individual.

Nos próximos dias, analisaremos o que sobra deste jogo.
Sobre as individualidades, já analisadas, aqui.

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3416 artigos
Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã" da PrimeBooks. Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*