Pizzi na voz de Jorge Jesus e do … Lateral Esquerdo.

Ainda em Agosto referiamo-nos a Pizzi aqui

“….Pizzi é de facto um jogador que se diferencia bastante de Bebé e Sálvio sobretudo pela constante procura da melhor opção. Pelo toque refinado na bola e a cabeça levantada. Algumas dúvidas sobre a sua capacidade para ser fiável nos momentos defensivos, porém.

Em Dezembro os seus atributos defensivos aqui:

“Desde sempre que neste espaço foi sendo referida a agressividade como uma característica determinante no futebol moderno. Todavia, o sentido de agressividade totalmente oposto ao que comumento é interpretado. Ser agressivo no sentido importante do termo não é bater mais no adversário, ou entrar mais duro. Tão pouco adoptar uma postura intimidatória. Ser agressivo é ser mais rápido sobretudo mentalmente antecipando cenários, não se coíbindo de colocar depois as capacidades condicionais ao serviço das acções que a mente vislumbra.

Porque em jogos recentes Pizzi foi ao chão duas ou três vezes para recuperar bolas, nas caixas de comentários surgiram algumas opiniões de que o português estava a melhorar nesse sentido e que a sua diferença para Enzo estava a esbater-se. Não está e dificilmente estará. A agressividade de Enzo é de facto mais perceptível quando observamos o seu gesto motor. A forma como acelera na direcção do portador da bola, e como vai ao chão se tal for necessário para recuperar a bola. Porém, é na leitura do jogo que o argentino é e será muito mais agressivo que qualquer outro. Na forma como antecipa cenários.

Agressividade defensiva é isto. Ou melhor, não é. Quer Pizzi quer Cristante são em termos motores e físicos capazes de correr a uma velocidade bastante superior aquela a que se moveram na situação que culminou com o segundo golo bracarense. O problema é que as suas mentes não foram sufientemente inteligentes para perceber a situação de jogo e adoptarem posicionamentos e reagirem em função desta. Qualquer um deles se antecipa o lance tê-lo-ia resolvido. Pizzi incomodando o portador. Cristante ou saindo ao portador ou não o fazendo, integrando a linha defensiva para que um dos centrais pudesse sair.” 


Depois da muito boa exibição do português frente ao Vitória de Setúbal, o seu treinador referindo-se a Pizzi nos exactos mesmos moldes a que o haviamos feito.

“Ele não conhece muito os momentos defensivos de um jogador naquela posição. Está melhor neste aspecto porque ofensivamente tem muita qualidade. É um jogador que em cinco passes falha um. Às vezes digo-lhe isto a ele “Se o futebol fosse como o Andebol, era sempre Pizzi e mais dez. Quando estivermos a atacar jogas sempre, mas quando estivermos a defender sais” Jorge Jesus.

Defensivamente é pouco agressivo, mas com estas equipas não precisamos de um jogador tão forte nesse processo” Jorge Jesus.

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3008 artigos

Criador do “Lateral Esquerdo”, tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto – Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino.

Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ).

Autor do livro “Construir uma Equipa Campeã” da PrimeBooks.

Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*