O Matacão

Um matacão é uma grande massa rochosa. Na gíria futebolística, contudo, o termo é geralmente usado para designar um avançado possante, alto e competente nos duelos físicos. Apesar de tosco, o matacão é corpulento e consegue guardar a bola enquanto a equipa se aproxima dele. Sem bola, corre que nem um doido, não dá uma bola por perdida, provoca o contacto físico, chateia os defesas, não lhes dando tempo para respirar, e sai do relvado com os bofes de fora e o orgulho intacto. Afinal, deu tudo o que tinha. É por estas e por outras que o matacão, não obstante as deficiências técnicas e a pouca lucidez com que interpreta os lances, é um tipo de jogador que vale a pena elogiar. Enquanto está em campo, aliás, o público aplaude-o muito. Há nas bancadas o reconhecimento tácito de que a pouca desenvoltura técnica, os pontapés na relva e as decisões precipitadas podem ser compensadas com suor e dedicação. Além disso, o matacão é um rapaz humilde. As correrias em campo são uma demonstração de humildade, porque expressam a consciência que tem da pouca qualidade futebolística que possui. É matacão, sim senhor, mas não é parvo. Sabe que, se não se esforçar, não tem hipóteses de jogar. Sabe que, eventualmente, troçarão dos seus atributos técnicos, e dedica-se a trabalhar para que nunca o possam acusar de ser preguiçoso. Não é um virtuoso, mas é honrado. Não é especialmente útil, mas também não é inútil. E contenta-se com isso. Um dia, quando já ninguém se lembrar das suas verdadeiras qualidades, poderá dizer aos netos que jogou num clube grande, ao lado de alguns nomes que ainda serão lembrados, e a família sentir-se-á orgulhosa da carreira que teve. O trabalho, diz-se, aperfeiçoa o carácter. O matacão trabalha muito, por isso deve ser bom homem. Seria lamentável que o futebol, um dia, não se compadecesse com bons homens.

É pouco provável, todavia, que o futebol, um dia, venha a dispensar as qualidades específicas do matacão. É que os árbitros adoram-no. Aquilo que os árbitros mais admiram, nas competências particulares do matacão, é a forma como, para proteger a bola, dá as costas ao adversário, abre os braços, espeta o rabo, provoca o contacto e, com os pés bem vincados no chão, os músculos tensos e a língua trincada, se defende estoicamente de possíveis desarmes. Quando o matacão, dominando a bola a custo, põe em prática esta esplêndida técnica, os árbitros deliram. É provável que apreciem, por qualquer motivo que um bom psicólogo talvez conheça, a pose de marsupial que o matacão imita. Pouco interessa que o contacto seja provocado pelo matacão, que as costas do matacão sejam deliberadamente atiradas para cima do defesa, que o rabo espetado do matacão sirva para obstruir o opositor, que a intenção do matacão, em suma, seja menos a de segurar e proteger a bola de eventuais desarmes do que a de manter o defesa atrás dele a uma distância segura. Para um árbitro de futebol, nada disto é ilegítimo. Pelo contrário, comportamentos de matacão, como estes, merecem a mais rigorosa das protecções. De tal modo que, sempre que o contacto que o matacão faz por haver de algum modo o desfavorece, o árbitro sente que não pode ser e apita. Os árbitros adoram o matacão do mesmo modo que adoram defesas que, encurralados contra a linha de fundo, se deixam cair ao mínimo contacto. Há qualquer coisa na falta de jeito para o futebol que os árbitros sentem necessidade de proteger. Quando encurralado junto à linha, um atacante que não tenha feitio para espetar o rabo e esperar pelo contacto do defesa, que procure contornar a falta de espaço recorrendo somente à qualidade técnica e à sugestão, dificilmente ganha a falta no momento em que o contacto se dá. O que, se formos a ver, até é bem feito. De outra maneira, era capaz de aparecer um visionário qualquer a sugerir que o matacão não servia para nada. E ninguém quer que o matacão desapareça. Do ponto de vista dos árbitros, o matacão é como o lince da Malcata: a bem da diversidade de espécies, é bom que se lhe ofereçam as condições suficientes para que não se extinga de vez.

Hoje, dia 5 de Fevereiro do ano da graça de 1997, só se fala do que o matacão fez ontem. E, na verdade, as pessoas fazem bem em falar do matacão. Não se sabe bem como vai ser o futebol daqui a 20 anos. É possível que já não haja um único matacão. E ser matacão é fixe.

Nuno Amado
Sobre Nuno Amado 6 artigos

Doutorado em Teoria da Literatura. Como acredita que se pode gostar em simultâneo de coisas muito diferentes, costuma conciliar o interesse pela literatura com o interesse pelo futebol. É um dos fundadores do blogue Entre Dez, onde escreve, com maior ou menor regularidade, desde 2007.

35 Comentários

  1. E, mesmo assim, há matacões (e defesas) mais iguais que outros. Consta que depende daquele desenhinho que costuma estar junto à zona do coração. “Consta” porque, até agora, todas as provas que o demonstram foram sempre, por uma razão ou outra, sempre consideradas circunstanciais.

  2. O Soares até pode nem ser nada de especial, o que concordo, mas pegar no jogo de ontem para dizer mal dele só revela mesmo azia. Dizer mal de um tipo que recebeu três ou quatro bolas jogáveis em 90minutos e mesmo assim meteu dois golos é triste. Que culpa tem o soares da equipa do Porto não saber construir e de ter passado o jogo a despejar bolas para o soares contra o mundo? Vao existir muitos jogos para criticar as más decisões do soares, ontem não foi um deles.

    E para quem não gosta de falar de árbitros nesta página, as referências à arbitragem são pouco menos que patéticas. Tão triste não se ter deixado estes posts do melhor blogger do mundo lá no entredez e terem trazido o maior convencido do mundo para esta grande pagina

  3. Claro que não. Mas esperar pelo primeiro jogo em que não há nada de especial a apontar a um tipo que não recebeu uma bola jogável (porque o Porto em construção é zero) e que mesmo assim sofreu dois golos é triste. E não é material lateral esquerdo. Principalmente a parte do arbitro. E sabes isso tão bem quanto eu

    • O Nuno que me desminta mas a parte do arbitro nada tem a ver com o FCP SCP mas c a proteção dada a este perfil de jogador. Nada se relacionou c o jogo de ontem,… interpretaste mal…

      • Acho que é óbvio, Pedro. Aliás, o texto é sobre o tipo de jogador, mais do que ser sobre o Soares. O Soares é só um exemplo, que é oportuno porque se gerou uma grande euforia em torno dele depois do que fez na estreia. Tirando um ou outro lance, nem sequer houve muitos casos, ontem, em que o árbitro tivesse protegido o Soares. Mas houve vários em que o árbitro protegeu os defesas, e o princípio é o mesmo. Em certas zonas do terreno, há certos jogadores que são sistematicamente protegidos. De um modo geral, os árbitros protegem este tipo de jogadores, assim como protegem os defesas em situações como as que descrevi. Mas, dito isto, não há, neste argumento, qualquer posição em relação à arbitragem de ontem. De resto, não peguei no jogo de ontem para nada a não ser para referir a euforia em torno do Soares que esse jogo provocou nas pessoas.

        • Ok. Não houve lances desses no jogo de ontem, o post nem é sobre o soares.

          Foi só um lapso teres colocado as etiquetas soares, novo e FC Porto.

          Assim sendo, nada a apontar. Também detesto matacões.

          Alo depoitre?

        • Acima de proteger jogadores em determinadas zonas do terreno, os árbitros protegem-se a eles. Os fiscais-de-linha protegem-se a eles em caso de duvida ao invés de seguirem a regra de “em caso de duvida, deixar seguir”, etc. As próprias protecções aos grs na pequena área, chegam a ser ridículas, faltas inexistentes sem fim.

        • O Slimani não caia também nessa mesma categoria? Onde estão os posts (talvez não aqui, mas no Entre Dez) acerca desse matacão, que tanto sucesso trouxe ao Sporting?
          Ou foi o toque de Midas que o isentou dessas criticas?

          Aparte preferências, e de volta ao tópico, do lado oposto temos o A.Silva, mais inteligente mas que, como jovem que é, tem muito menos manha e conquista muito menos faltas. No modelo que o NES quis colocar em campo (goste-se ou não), qual deles contribuiu mais para o sucesso conjunto?

          Qual O burro é ele em verdade.

  4. Também sou um dos que acha que o Soares não é jogador para o Porto mas que fez uma grande joga ontem, fez! Se continuar num nível parecido, cala-me e pronto.

    Mas também não acho o André Silva PL para o Porto e quem ouve toda a gente, parece que estão a falar de uma das 7 maravilhas do mundo… tivesse ele menos os 8 ou 9 golos que já leva de pénalti e queria ver as opiniões.

  5. Tirando o matacao ser o soares (ver etiquetas)? E a equipa ser o FCPorto (ver etiquetas)?

    Eu não estou a defender o soares nem nada que se pareça. Nem acho que ele tenha qualidade para jogar no Porto. Mas rasgar o rapaz depois de ontem quando o Porto não trocou três passes no meio campo ofensivo, enfim.

    Relativamente ao tema arbitragem em quase metade do post, realmente achava que esse assunto era para o visão de mercado. Mas talvez nao

    • opa.. n percebi…?

      seria noutro post? a resposta a isto?

      “Treino e jogo, onde não é importante! ?

      Mas o meu actual treinador até com a orientação do pescoço quando corremos nos “chateia”! Sobretudo para quando procuram/os a profundidade.”

      A minha pergunta foi porque o Del Piero tem sempre comentários super interessantes que se percebem claramente que anda / andou nestas lides, lá dentro de botas calçadas!

      Foi nas caixas de comentários que conheci o Blessing e outros tantos que valem a pena ler! Como é o caso do Del!

  6. Protecção? O Soares é o avançado com mais faltas cometidas, e portanto assinaladas, da nossa Liga. É um matacão, sim, mas que oferece coisas diferentes e úteis à atual equipa do Porto. Esperemos mais umas jornadas para avaliar as decisões do Matacão.

    • É esta uma das melhores qualidades deste blog… a liberdade de expressão, mesmo indo contra os autores.

      Há outros em que basta ir contra Messi ou Benfica e somos censurados mas não percamos tempo a falar do VM.

  7. Muito bom post. A parte sobre os defesas e os árbitros é das coisas que mais me irrita no futebol.

    Ainda assim, acho que está incompleto. O matacão não é necessariamente um avançado. Para o comum adepto, todas as equipas precisam de, pelo menos, três matacões: o ponta de lança goleador, o trinco destruidor e o central patrão. Três posições chave onde é preciso existir pelo menos um jogador que sabe dar porrada.

    Cumps

  8. Se continuar o Matacão a “faturar” com pouco desperdício de oportunidades como o fez no último jogo, é exatametente o que mais urgia resolver para o seu clube e portanto… a luta e entrega, ainda que sem beleza para o jogo, é a cereja no topo do bolo. Só luta, e físico, não faz de ninguém jogador, mas aproveitamento de oportunidades já fizeram de muitos “matacões” jogadores de topo. Goste-se do estilo ou não… A luta e entrega faz parte do jogo, principalmente jogos com as caracteristicas de um clássico! Bem haja, Lateral Esquerdo.

  9. Malta, não se esqueçam que para o Nuno, o Hélder Postiga é o modelo de avançado para o futebol que ele defende (o tal futebol que teremos daqui a 20 anos, quando já não haverá matacões). Entretanto matacões como este Soares, Derlei, Beto Acosta, Diego Costa vão marcando golos neste futebol pré-histórico. Daqui a 20 anos ninguém se lembrará dele mas toda a gente se lembrará do grande blogger Nuno.

  10. Realmente não há como o Nuno para pôr isto a ferro e fogo.

    Em parte tenho que concordar com o que o Tiago Figueiredo disse, temos que aguardar mais uns jogos para ver os prós e contras da utilização do Soares.

    Ainda assim, Parece-me que não foi só o Palhinha que levou o guião errado, toda a equipa foi mal instruída/surpreendida pela utilização dos dois avançados.

    Aí está o pecado de Jorge Jesus neste clássico, não a utilização do João e do Matheus.

    A construção do Porto é zero, defensivamente são bastante permeáveis (Bryan jogou o que jogou porquê?), Oliver foi completamente abafado e só o João Teixeira permitiu ao porto respirar (este gajo é uma máquina).

    Um abraço rapaziada,
    Gonçalo Mano

  11. Portanto a definição de Matacão é “um avançado possante, alto e competente nos duelos físicos. Apesar de tosco, o matacão é corpulento e consegue guardar a bola enquanto a equipa se aproxima dele. Sem bola, corre que nem um doido, não dá uma bola por perdida, provoca o contacto físico, chateia os defesas, não lhes dando tempo para respirar, e sai do relvado com os bofes de fora e o orgulho intacto”.
    O que vejo nesta definição é um avançado que dá jeito a muitos clubes pequenos e de meio da tabela, que não têm dinheiro para mais, logo não me parece que vá desaparecer. Acho que não se pode sinceramente achar que os avançados inteligentes e dotados tecnicamente existem por ai a potes, e que é por simplesmente cairem em graça com o público e os árbitros (??), que existem ainda os matacões no futebol.
    O Matacão é um avançado que tem um papel essencial em certas ideias de jogo, como por exemplo no Chelsea de Conte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*