Correcções ao intervalo. SL Benfica vivo na eliminatória.

Não há como negar. Houve um erro estratégico na abordagem encarnada na primeira parte (ler texto anterior que referencia as superioridades numéricas por onde o Dortmund se movia, aqui).

Jogo demasiado fácil para o Dortmund construir, encostou o SL Benfica completamente à sua rectaguarda. Retirou-lhe confiança até para tomar decisões com bola, face ao “atropelo” que se observava no relvado.

Ao intervalo, correcções de Rui Vitória, a encurtarem distâncias. Com a curiosidade do canto do golo, ter nascido precisamente de uma alteração que introduziu no comportamento da sua primeira fase defensiva. Recuperação após pressing de Pizzi sobre o central esquerdo.

Tapado o espaço de progressão aos centrais, aumentou a dificuldade da equipa germânica para chegar às zonas de criação. Dificuldade que havia sido nula ao longo de todo o primeiro tempo.

Na Alemanha terá de ser um Benfica preparado ao “milímetro”. Ter sobrevivido a erros próprios no jogo do Estádio da Luz foi como que uma benção. Na segunda mão, em cima da boa estratégia e da dose de felicidade que sempre será necessária quando o adversário apresenta tal poderio, terá o Benfica de ligar mais saídas com bola! Com coragem para o tentar, desmontando primeiro pressing do Dortmund, haverá espaço na profundidade para fazer golos.

P.S. – Já passam de duas centenas de utilizadores registados na COMUNIDADE LATERAL ESQUERDO. Esperamos lá por vocês para continuar as discussões sobre este jogo maravilhoso.

P.S. II – Agradecimento muito grande a todos os que já se juntaram a nós no Patreon. Para terem acesso a todos os conteúdos que por cá se produzem, é passar por lá. Recordamos que 1 euro mês será desde logo uma grande ajuda! Alternativa no lateralesquerdo.com@gmail.com.

 

Sobre Paolo Maldini 3791 artigos
Pedro Bouças - Licenciado em Educação Física e Desporto, Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, bem como participado em 2 edições da Liga dos Campeões em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, Cursos de Treinador e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã", e Co-autor do livro "O Efeito Lage", ambos da Editora PrimeBooks Analista de futebol no Canal 11 e no Jornal Record.

5 Comentários

  1. Tenho uma pergunta a fazer-te. Depende sempre do contexto e dos jogadores. Mas qual achas a melhor solução, jogar com mais uma unidade no meio campo como o Augusto ou com um avançado que vá fazer esse equilíbrio?
    Desculpa a pergunta, isto não é preto no branco…
    Augusto foi importante trouxe bons equilíbrios ao jogo não só pelo maior numero de jogadores mas pq enquadrou-se bem.

  2. A minha questão é: porque é que não fez isto na primeira parte? O Rafa não compreendeu o que era pedido, ou de facto não lhe foi pedido este tipo de pressão? Com Jonas teria sido assim desde o início?

  3. Lá está, como sempre defendi. Um treinador não deve estar preso ao seu modelo preferido, deve saber adaptar-se ao adversário e/ou ao contexto competitivo. Se tiver que mudar de táctica, muda. Não deixa de ser bom treinador por isso. Aliás, só um bom treinador tem essa capacidade de mudar.
    E, voilá, a importância das substituições.

    🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*