Linha burra. Último tango em Paris.

Os brasileiros apelidaram com um nome curioso a forma de defender em linha tão usada na Europa.

Como os treinadores que tentaram implementar tal dinâmica no Brasileirão, nunca tiveram cuidado com variáveis determinantes como o controlo da profundidade (controlando a distância para a última linha… nomeadamente a obrigatoriedade desta ir baixando metros com aproximação da progressão adversária), ou a dinâmica de coberturas (quando um elemento da linha sai na bola, a urgência de restantes elementos da linha baixarem e deixarem de estar ao lado de quem está com o portador da bola, aproximando-se entre si), cada ataque adversário parecia acabar com alguém isolado perante o guarda redes.

“Linha burra” ficou.

Em Paris, a linha média do Barcelona foi um desastre autêntico no momento defensivo. Cada ataque do Paris SG terminava com bola nas costas dos quatro médios e situação de jogo a ser defendida unicamente pelos quatro defesas. Ausência de coberturas, médios centro a permanecerem sempre lado a lado, quando se impõe que joguem na diagonal. Bola na metade direita, Busquets, médio centro direito mais subido com Iniesta na sua diagonal e vice versa, como forma de controlar o espaço à frente dos defesas centrais.

A total ausência de dinâmica é demasiado estranha quando se nota que o meio campo catalão é habitado por jogadores do mais culto tacticamente que se poderá encontrar pelo mundo fora.

Uma certeza pós derrocada final. Este é um jogo jogado por pessoas. E numa era em que o conhecimento está acessível a todos, é claro que Luis Enrique, Busquets e Iniesta saberão que não é esta a forma como melhor se defende em 442.

 

 

Sobre Paolo Maldini 3803 artigos
Pedro Bouças - Licenciado em Educação Física e Desporto, Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, bem como participado em 2 edições da Liga dos Campeões em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, Cursos de Treinador e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã", e Co-autor do livro "O Efeito Lage", ambos da Editora PrimeBooks Analista de futebol no Canal 11 e no Jornal Record.

9 Comentários

  1. Vergonhoso. Até nas peladas semanais com a malta – eu e a minha barriguinha -procuro sempre dar cobertura. Ignorando a bandalheira que devem ser os treinos do barça, é ridículo como durante 90 minutos não existe ninguém dentro de campo com capacidade de perceber o que os rodeia (principalmente quando sem bola). Tentar corrigir o que eu e o colega estamos a fazer de errado, berrar para que fulano dê um passo atrás. Em vez disto há 11 gajos mudos incapazes de usar a razão.

  2. incrível, de facto.

    o que causou isto? o que mudou para a forma como costumam defender? ou costumam defender assim mas ninguém costuma aproveitar?

  3. Uma questão: aos 1:57 min. do vídeo…o que é aquilo?…
    Qual era a ideia, deixar o pessoal nas costas da linha de 4 em fora-de-jogo?
    Custa a acreditar que uma coisa deste género aconteça a um nível tão alto. Nem no Brasileirão…

  4. Jogadores habituados a jogar com Busquest como sombra nas suas costas, nao tiveram informaçao ou treinos para jogarem com 2 em linha no meio campo..

    PS: Quem é este Andre Gomes?? eheheh

  5. Tanto busquets como iniesta vieram de lesao e ainda ninguém se conseguiu entrosar com o gomes que não sendo mau a atacar na hora de defender anda sempre perdido em campo. O treinador arriscar isto num jogo fora da champs a eliminar parece incompetência pura.

  6. Parece que Iniesta e Busquets levaram o guião errado 😉 Parece que jogam com referências de 4-3-3 onde aquele espaço à frente da defesa estaria sempre coberto. Mas como diz o PB isto são jogadores inteligentes com anos a jogar ao mais alto nível, não se percebe.

    O que ainda se percebe menos é que depois deste descalabro o bode expiatório é o André.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*