Um meio campo à beira de um ataque de nervos. Ainda o SL Benfica.

No último texto foram referenciados defeitos demasiado perigosos de Samaris para quem ocupa uma posição que pretende dar estabilidade à equipa.

Ausência de timing para se manter no espaço correcto e para sair mais pressionante, sempre a destapar a equipa quer na transição defensiva, quer em organização.

Também Pizzi na partida de ontem com um jogo demasiado temerário do ponto de vista defensivo. Sempre a chegar tarde, sempre com a pouca intensidade que importa! A de recuperar o seu espaço defensivo. A de entrar na situação de jogo para garantir superioridades.

Meio campo do Benfica completamente à deriva num jogo perante um adversário cuja qualidade individual é muito inferior à da equipa da Luz. Com o tipo de jogo trocado, isto é com, SL Benfica a enfrentar em quantidade o número de situações que os avançados do Belenenses enfrentaram (contra somente linha defensiva) e garantidamente que poderia ser jogo para que o resultado chegasse aos dois digitos. Com equipas trocadas, acabou ainda assim por ser bastante feliz a equipa encarnada por sair da Luz sem consentir golos, quando permitiu que cada posse da equipa azul pudesse representar uma jogada perigosa. Assim se definisse melhor.

P.S.  – Agradecimento muito grande a todos os que já se juntaram a nós no Patreon. Para terem acesso a todos os conteúdos que por cá se produzem, é passar por lá. Recordamos que 1 euro mês será desde logo uma grande ajuda! Alternativa no lateralesquerdo.com@gmail.com.

 

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 2928 artigos
Creator of the "Lateral Esquerdo", is also a teacher at the University Stadium in Lisbon. Soccer coach, having conquered several national titles in Portugal. Experience as soccer coordinator, and lecturer at various Sports Universities. Author of the book "Build a champion team" from the publisher PrimeBooks.

8 Comentários

  1. Então e a linha defensiva?!

    Em todos os lances do video esteve no mínimo uns 10 a 15 metros bem atrás onde deveriam estar. Logo aí, quem é que dava a cobertura defensiva ao Samaris, quando este tentava ser agressivo o suficiente para fazer a contra-pressão que pudesse impedir a transição do Belenenses?!

    No lance do Eliseu, no qual este sai ao jogador e o Samaris também tentou pressionar, nota-se bem o comportamento da linha defensiva. Facilmente poderiam colocar os avançados do Belenenses em fora-de-jogo, mesmo que o médio de Belém conseguisse sair jogar como fez. Mais, muito provavelmente, com a linha subida, o Lindelöf ou o Luisão poderia ter recuperado a bola.

    Depois destaco a “reacção” à perda dos restantes colegas de Samaris e Pizzi…

    Dito isto, concordo que o Samaris precisa de rever alguns pontos no seu jogo, mas o problema do Benfica está longe de passar pelo grego, ou até do Pizzi. O Fejsa disfarça muitas coisas é verdade, mas há ali puxões de orelha a outros jogadores que devem ser feitos.

  2. O homem não pára quieto! Kkkkk

    Não vi o jogo com muita atenção mas às tantas foi fácil demais, não sei até que ponto esta sensação afecta os jogadores. O Pizzi apareceu em várias imagens agarrado ao pé, por exemplo, quase todos foram titulares em Dortmund. É inexplicável a entrada do Horta apenas a 5 minutos do fim, quando o rapaz está a precisar de minutos.

    Entretanto, até que ponto estes comportamentos são consequência do que se faz, ou não faz, ao nível do treino?

  3. Por favor, alguém mostre este video ao Rui Vitória, para ele explicar/ensinar ao Samaris o que tem que fazer!! diga-lhe que basta ficar “quieto” e deixe de andar a correr que nem uma “barata tonta”!!
    Ou será que o Rui Vitória tb não percebe isso? querem ver que aquilo que o Feijsa faz de bem naquela posição, é tudo da sua inteligência e capacidade para perceber o jogo? ás vezes parece que os jogadores jogam o que cada um sabe e que o treinador não os sabe corrigir. Este exemplo do Samaris é flagrante. O homem sempre “jogou” assim e o Rui Vitória não o corrige!! parece que até acha bem…

    • Porque acha que “ir à queima” é deixar uma marca física no adversário. Quando confrontado com o facto ele responde “mas não lhe toquei!”. 😉

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*