O Deus do jogo. Das decisões de Kroos para um jogo sublime.

O Santiago Bernabéu assistiu na noite de ontem a uma das mais desequilibradas meias finais da história da Liga dos Campeões.

Cristiano Ronaldo materializou em golos a superioridade “merengue”. Porém, se pudemos assistir a um jogo de nível assombroso em controlo, domínio e saber quando chegar à baliza adversária, quase tudo passou pela mente incrível de um médio alemão que domina o jogo como praticamente nenhum outro.

Não haverá à escala mundial quem consiga entender com tal nível de perfeição os momentos ideais para cada aceleração ou pausa. Quem domine com as suas decisões todo um ritmo do jogo. Uma espécie de titeriteiro que manipula toda a envolvência.

Nos pés de Kroos a bola descansa. A equipa aproxima, as combinações iniciam-se. E quando o momento de aumentar a velocidade de circulação surge, não é desperdiçado. Pressioná-lo é sujeitar-se ao desequilíbrio que por certo criará logo no primeiro passe, não o pressionar é observá-lo a dominar todo um ataque posicional.

A opção de criar como que dois centros de apoio distintos, à direita com Modric em apoio, e à esquerda com Kroos também como o membro mais recuado de rectângulos que se formavam, centros onde a bola descansa enquanto a equipa se move, beneficiando da aproximação de um mais adiantado Isco, trouxeram uma qualidade na construção e nas ligações constantes entre colegas como poucas vezes observadas no futebol europeu.

Con mi llegada dio un giro enorme a su carrera porque realmente, ahora, lo que él ya sabía hacer ahora lo hace con mucha continuidad porque tiene condiciones y se asocia con futbolistas de su mismo perfil. Han entendido las cosas y ahora han multiplicado la efectividad porque se asocian.

Quique Setién

Agradecimento muito grande à mais de uma centena dos que já se juntaram a nós no Patreon. Para terem acesso a todos os conteúdos que por cá se produzem, é passar por lá. Agora também com acesso à drive do Lateral Esquerdo. Recordamos que 1 euro mês será desde logo uma grande ajuda! Alternativa no lateralesquerdo.com@gmail.com.

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3047 artigos

Criador do “Lateral Esquerdo”, tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto – Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino.

Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ).

Autor do livro “Construir uma Equipa Campeã” da PrimeBooks.

Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

10 Comentários

  1. Obrigado pelo seu artigo.
    E o tal trabalho invisivél (que lhe serà tao pouco reconhecido) do Zidane que permite ao Kroos ser esse majestoso maestro; nao é por acaso que hà semelhances na forma de pautar o jogo como fazia o Zidane. Sou luso Francês, e lembro-me tao bem do Mundial 2006 e como ele foi o oàsis do jogo no meio de um deserto de ideias colectivas da França.

  2. bom demais. o kroos onde penso que não falhou um passe. o modric tem a capacidade de conduzir com mais qualidade. A jogar na posição que joga no real nem tira partido de uma das suas melhores qualidades que são os passes para dentro da baliza.

  3. Muita disponibilidade física do Real também, para esta altura do campeonato. Ter um plantel com a profundidade deles e saber rodar como tem feito Zidane também permite ter jogadores móveis e frescos como o Isco neste momento da época.

    Costumo ver mais os jogos do Benfica e aliado aos problemas tácticos penso que também grande parte do problema parece-me ser a falta de frescura física de muitos dos jogadores na frente. Bolas a 1 metro deles e parece um esforço enorme para lá chegar. Concordam?

  4. “O Santiago Bernabéu assistiu na noite de ontem a uma das mais desequilibradas meias finais da história da Liga dos Campeões.”

    Caro Paolo Maldini

    A prestação do Atlético Madrid foi muito fraca, os defesas do Real Madrid conseguiram variar o flanco muitas vezes com muita facilidade e praticamente sem oposição. Não havia ninguém entre Varane e Sérgio Ramos.

  5. A liberdade do Kroos e do Modric é a essencia do futebol e o bem sucedido é devido à natureza do futebol.
    A liberdade tem que existir no modelo do jogo e se o sistema for mais importante que o jogador, isso nao respeita as regras do futebol:
    1/porque a rigidez do sistema tira a imprevisibilidade do jogador enquanto que o jogo é so desequilibrios
    2/porque a rigidez do sistema reduz as perspectivas intelectuais e espirituais do jogador enquanto que o jogo nunca é igual, é vida e por isso a inteligencia do jogador tem que estar sempre ativa assim que a sua intuiçao
    3/ porque a rigidez do sistema dà um sentimento de acabado ao jogador mas o jogo é um tempo e um espaço inacabado e o jogador tem que estar sempre a criar
    4/porque a rigidez do sistema so tem logica a dar ao jogador mas o que hà mais no jogo é ilogismo, e um so jogador desmonta a logica de um sistema adverso
    5/porque a rigidez do sistema tira o prazer ao jogador e esse é o primeiro principio de todos os amantes do futebol, a alegria do povo, o sindromo garrincha
    6/ porque a rigidez do sistema se explica so com esquemas mas o jogo é beleza e nao hà estaticas nem esquemas que o expliquem e a liberdade permite ao jogador essa beleza com bola

  6. Vi o jogo quase todo e foi isso que me apercebi: tremendo Kroos. A forma como recebe, temporiza e passa, aliada a uma visão e entendimento do jogo brutais, é de um nível muito muito alto. Na minha opinião é o melhor médio do mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*