Ronaldo resolveu um jogo de dificuldade para criar

Visto à Lupa da edição de hoje do Jornal Record:

Demasiados condicionalismos dificultaram o jogo português na penúltima partida da qualificação. Um sintético em mau estado que dificultou a velocidade e a qualidade da circulação, pelo facto de raramente a bola rolar sem que fosse de forma irregular, o que dificultou a execução dos gestos técnicos, e fez os jogadores portugueses perderem um pouco mais de tempo para receber, dominar e dar seguimento a cada bola que lhes passou pelos pés. Tempo perdido que se demonstrou essencial para poder causar mais perigo perante uma estrutura com onze jogadores sempre muito próximos e baixos no relvado.

Foi um jogo de muita dificuldade nas zonas de criação, também por outros dois grandes motivos:
1) Portugal apresentou-se com posicionamentos pouco ousados em termos de profundidade, perante uma equipa que esteve sempre demasiado baixa no campo. Quer Semedo à direita, quer Eliseu à esquerda receberam praticamente sempre a bola fora da estrutura adversária, onde se posicionavam também os defesas centrais e Danilo.

Aliando tais posicionamentos aos momentos em que João Mário também baixava para receber, e havia uma relação numérica com uma vantagem muito acentuada em zonas mais baixas, o que conduzia às dificuldades que a selecção sentia nas zonas mais adiantadas;

2) Constante inferioridade numérica nas zonas de maior decisão. Porque usou demasiados jogadores com posicionamentos mais baixos, e os centrais raramente progrediram com bola para chamar a oposição a si, no último terço os jogadores nacionais enfrentaram situações constantes de inferioridade numérica. Não somente nos corredores laterais, mas também no ataque às zonas de finalização.

A entrada de Cristiano permitiu a Portugal ser mais compentente nas zonas de finalização, mesmo que em desvantagem numérica. Ainda não passavam vinte minutos da sua presença em campo, e o bola de ouro na grande área aproveitou um erro defensivo para dar a tranquilidade necessária à equipa lusa.

Num lance que se iniciou precisamente de uma maior participação de um defesa central no processo ofensivo. Neto recebeu em zona mais adiantada, atraiu a si um opositor o que permitiu a Eliseu e João Mário receber já nas costas dos adversários com maior espaço, porque um dos adversários que fechava a zona saiu precisamente a Neto, para então servirem Ronaldo.

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 2928 artigos
Creator of the "Lateral Esquerdo", is also a teacher at the University Stadium in Lisbon. Soccer coach, having conquered several national titles in Portugal. Experience as soccer coordinator, and lecturer at various Sports Universities. Author of the book "Build a champion team" from the publisher PrimeBooks.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*