Marcel Keizer, o triunfo de Vitor Pereira, e o regresso de Miguel Cardoso

Foi com enorme orgulho que o Lateral Esquerdo viu na semana transacta, mais um dos elementos que ajudou a fundar o site, sagrar-se campeão nacional.

Mesmo em circunstâncias muito diferentes daquelas a que estamos habituados, rapidamente conseguimos perceber o meio, o que temos e as condições para atingir o sucesso. This content is only available to subscribers. Please contact us at lateralesquerdo.com@gmail.com for details or visit our Patreon page

Já são quase 250 patronos!

Para terem acesso a todos os conteúdos que por cá se produzem, e darem uma pequena ajuda tornem-se patronos deste projecto. Também com acesso à drive do Lateral Esquerdo, onde partilhamos “influências”. Recordamos que 1 euro mês será desde logo uma grande ajuda! Alternativa no lateralesquerdo.com@gmail.com

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3416 artigos
Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã" da PrimeBooks. Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

4 Comentários

  1. Não sendo o plantel do Sporting a “crème de la crème” da qualidade individual, é composto por executantes bastante competentes em vários aspectos. Se Keizer significar uma melhoria na organização ofensiva não poderá ser um upgrade importante? Ou estarei a forçar a visão do copo meio cheio? Agora, claro, atrás teriam que manter-se uns lampejos da organização defensiva de JJ. O papel dos laterais sem bola e a reacção à perda – onde julgo que o duplo pivot defensivo até pode fazer sentido desde que com Sturaro, apesar de Petrovic não ser a nódoa que muitos pintam – teriam que ser melhorados. Não querendo parecer demasiado básico na análise, o Sporting dificilmente será, a partir de agora, pior do que até aqui e o contexto da liga poderá favorecer os imprevistos (um pouco à semelhança do ano de Trapattoni no Benfica). Isto porque o Benfica não deixa de viver um momento sobre brasas cujas consequências a longo prazo poderão ser determinantes, o Porto carece, a meu ver, de um “Plano B” (as declarações de S. Conceição sobre terem sido imprevisíveis na 2a.Parte do jogo da Madeira parecem-me desprovidas de conteúdo e sem correspondência com a realidade) e o Braga…não sei explicar, mas algo me diz que ainda não está “lá” (os assuntos do “Psi” que eu discutia no post “Eu, Braga, me confesso”). No fundo, julgo que se Keizer for minimamente competente – não inventar, investir mais na organização que na inovação, procurar dar aos bons jogadores do Sporting um contexto favorável (outra vez o “Psi”) – a sorte (porque há factores que não dependem do treinador) até pode sorrir… É demasiado optimismo da minha parte?

    • Desculpa não ter respondido antes… nem sempre consigo ler os comentários…

      Como o próprio post indicia… nada garante que ele seja sequer competente ofensivamente… Se formos por “ses”, sim, as coisas podem acontecer. Agora, não é um cenário provável…na minha opinião

      • E de facto, o meu lado racional é um bocado pessimista de uma forma geral. Chateia-me é o enterro generalizado do homem com base em suposições pouco fundamentadas (ao contrário dos vossos artigos, convém separar as águas!), assim como me chateiam os lugares comuns – e isto vem ao encontro do facto de nada garantir que ele seja competente ofensivamente – de “escola holandesa…vai atacar bem, mas não sabe defender”. Não quis deixar os “ses” ao acaso, mas queria muito (como sportinguista, claro…) que o meu wishful thinking de organização em detrimento da inovação e o trabalho da parte psicológica fosse materializado. Há tempos publicaram um post, salvo o erro, sobre a circunstância de o Simeone “proporcionar”(no que depende dele) aos seus jogadores um contexto favorável, no fundo, provocar sinergias que criem zonas de conforto. Grande parte de um eventual sucesso do Sporting esta época passaria por aí, uma vez que os jogadores apenas sofríveis ou razoáveis talvez pudessem fazer parte de uma dinâmica que conseguisse extrair o melhor deles ou mascarar as suas deficiências. Jozic foi muito bem sucedido nesse aspecto, na minha opinião. Camacho, a espaços (embora com outro tipo de limitações), também. Agora se daqui vai sair Jozic ou Vercauteren…o tempo o dirá. Obrigado pelo feedback!

  2. Não quero fazer um “off-topic”, mas à falta de melhor local, julgo ser este o post mais adequado (apesar de tratar também do regresso de Miguel Cardoso ao activo e do sucesso de Vìtor Pereira) para colocar a questão: gostava de saber, caso se confirme o regresso de Raul José ao Sporting, ainda quem tudo indica, para o departamento de scouting, a opinião do Lateral Esquerdo sobre esta entrada. No fundo, saber se a considera irrelevante ou de alguma forma importante. Gostava de saber ainda se faz sentido (uma vez mais, caso se confirme) a presença do Raul José no scouting e não na equipa técnica. Já agora…o futuro de JJ à frente de um qualquer clube sai fragilizado com a “perda” de elementos da sua confiança? Obrigado!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*