A Estratégia por trás da maravilha – O Golo do Shakhtar

Perante uma equipa de qualidade individual superior, o Shakhtar de Paulo Fonseca voltou a demonstrar competência e personalidade em cima de uma estratégia ofensiva que assentava em aproveitar o espaço ao lado dos médios adversários através da deslocação dos alas (Taison e Marlos) de dentro para fora do bloco.

O Lyon posiciona-se num 5-2-3 em Organização Defensiva que protege muito bem o corredor central, mas que oferece um espaço enorme ao lado dos dois médios, o que é natural, dado que, a linha média é composta apenas por dois elementos como se pode verificar na imagem.

Identificada esta situação estratégica do Lyon, Paulo Fonseca e a sua equipa técnica definiram que a melhor forma de aproveitar este espaço seria colocando os alas a receber por fora do bloco do conjunto francês. Curiosamente, o brilhante golo da equipa ucraniana iria nascer de um movimento para fora do bloco de Marlos que lhe permitiu receber enquadrado para a baliza e posteriormente, ligar com Taison que, também, se encontrava fora do bloco.

Mais uma vez, Paulo Fonseca volta a demonstrar o papel da observação e da análise na definição da estratégia. No entanto, desengane-se quem ainda pensa que quando se fala de estratégia, se fala apenas dos aspectos defensivos ou de como anular o adversário. Nos dias de hoje, para equipas que queiram dominar o jogo, é fundamental observar o adversário e se necessário, definir comportamentos diferentes do modelo para contrariar os diferentes posicionamentos defensivos do adversário. É certo que, Paulo Fonseca foi eliminado da Champions League, mas voltou a deixar a sua marca num grupo extremamente complicado para a equipa do treinador português.
Sobre Pirlo 49 artigos
Apaixonado pelo jogo e pela análise. É o pormenor que me move na procura do conhecimento. Da análise ao jogo, passando pelo treino, o Futebol é a minha grande paixão.

1 Comentário

  1. Mas o golo só chega indiretamente desses “pedidos” já com muita coisa pelo meio.
    Não é um resultado direto.
    E o jogo no global do Shakhtar, foi bastante mais impreciso do que é normal.
    Lampejos, mas muitas perdas no toque.
    Outra coisa que se nota é a falta de alguma agressividade para momentos de “desespero”.
    A paciência de circulação e preparação é boa, mas há situações e timings onde é necessário estar capacitado para acelerar mais e trazer surpresa de modo mais contínuo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*