Deixá-los crescer até ser tarde

Quando havia limite de três estrangeiros, na altura em que nós tínhamos o Schwarz, Magnunsson e o Thern, sempre que vinha algum à experiência, o Thern logo no início dos treinos aviava uma fruta, daquelas bem fortes, só para não o deixar crescer…. e ainda dizia na brincadeira com o resto da equipa… Sou o pior dos três, se algum fica sou eu que vou embora…

Os textos do Laudrup abordaram um pouco também o lado emocional no jogo. Quantas vezes, não é a bancada que ajuda a empolgar uns e encolher outros?

O Benfica perdeu em Portimão, e embora os golos dos algarvios tenham a marca de dois erros gravíssimos individuais, foi porque colectivamente o Benfica errou, que deixou crescer a equipa de Folha, e que o jogo se começou a desenhar.

A pressão dos encarnados voltou a ser, como habitualmente, uma fonte de problemas para o próprio Benfica. Defensivamente, porque não foi capaz de impedir a entrada da bola nas zonas de criação adversárias, o Benfica sujeitou-se e expôs-se ao crescimento do adversário.

O primeiro golo da partida, tem um erro de Rúben Dias, mas tem também, a marca do porque se fala tanto na importância de explorar o espaço central. Só lá chegando, e o Benfica não enquadrou uma vez entre linhas adversárias nos primeiros 45 minutos (ao contrário da equipa de Folha que chegou a tais zonas de forma consecutiva), se consegue provocar desconforto e mover adversários. O Portimonense chegou a zonas de criação, obrigou Rúben Dias a sair da posição, e isso influenciou toda a sua abordagem e posicionamento no lance em que o primeiro golo chegaria.

Em desvantagem, a incapacidade para tomar decisões com bola foi por demais evidente. Para além da já tantas vezes mencionada opção por lateralizar sempre o jogo, e forçar sempre as mesmas combinações tácticas treinadas, os centrais do Benfica não são hoje jogadores que participem no processo ofensivo, no sentido de provocar a oposição e começar a quebrar as linhas adversárias. Quer Rúben quer Jardel, não são no momento jogadores capazes, ou confortáveis para estar próximos dos adversários, aquando da posse, e logo ai, se começa a queimar quem pode receber mais adiante.

 

 

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3504 artigos
Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã" da PrimeBooks. Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

14 Comentários

  1. Isto para não falar de erros técnicos gravíssimos (passes fáceis falhados, recepções desastrosas…) para jogadores ao nível de uma equipa de que quer ser campeã. A juntar a um jogo onde a tomada de decisão foi muito má mesmo, lances onde um jogador do Benfica recebia ( e perdia claro) rodeado por 3 jogadores do Portimonense foi uma constante. A esta altura do campeonato esperava se um nível excebicional muito mais regular. Não há padronização do jogo e transparece que os jogadores acusam gravemente o momentos do jogo. Os jogadores têm qualidade, a culpa pode não ser apenas do Rui Vitória, mas é ele o responsável máximo para maximizar o potencial destes, e configurar a equipa da melhor maneira com os melhores

    • Concordo em tudo. Há que realçar outro ponto também, pois acho inacreditável ser dito constantemente que este plantel é muito melhor do que o dos outros clubes. Ninguém consegue ver que a qualidade dos centrais é abaixo do que se pede? Sem desvalorizar o Ruben Dias, que é o melhor deles, não tem grandes capacidades de passe/visão de jogo. Um lateral direito que não preciso de comentar. A nível de médios tem sido outro problema, onde existe qualidade e cada um com as suas lacunas, que acaba por prejudicar sempre de alguma forma (Fesja com dificuldades com capítulo ofensivo, Pizzi no defensivo, etc) mas que têm acusado uma irregularidade incrível. Tantos pontas de lança e apenas um consegue dar e contribuir para a equipa e para o jogo: Jonas. Gedson, Felix a dar os seus primeiros passos numa equipa que está partida, sem consistência. Se não tivessem ido buscar o Vlachodimos e mantivessem Svilar ou Varela à baliza, acho que estariam numa situação bem mais grave em termos de tabela classificativa.

  2. E alguém pode me esplicar o que faz o melhor médio do futebol portugues a par do bruno fernandes no banco de suplentes e nem daì sai? E não me venham com a història dos 10 meses de lesão…
    fala-se muito dos 2 centrais que estão abaixo de forma e com bola realmente são limitados , mas para mim o grande problema da equipa anda no meio campo.

  3. Maldini, o regresso do Benfica ao seu registo mais regular ou característico (profundamente débil) após a expressiva vitória sobre o Braga era previsível. É assim com qualquer equipa incapaz, e o desvínculo de Rui Vitória era mais ou menos inevitável. Nos jogadores, para feitos de qualidade exibicional e de ambição (obtenção de resultados), podemos imaginar quão limitativo seria / será jogar naquele contexto. Limitativo até para o ex-treinador que não andaria satisfeito com o seu próprio trabalho, independentemente daquilo que ia / vai reproduzindo para o exterior. Maldini, a laboriosa preparação que subtraíste da observação da equipa do Benfica e que exibiste há uma semana vê-se refeita para todo e qualquer adversário que enfrentam, que se soma ao tempo gasto a trabalhar o seu modelo. Em boa verdade, estão há anos naquilo. No entanto, apesar da dedicação e do tempo dispendido e apesar do treino diário e das melhores intenções, chegados aos jogos, o Benfica revela-se de modo fatal uma equipa de futebol medíocre e pateta, no sentido em que nem consegue realizar as tarefas mais simples. É essa a verdadeira marca dos ineptos. Pior, não são só os pouco talentosos centrais do Benfica que queimam os colegas mais à frente. Mais graves são as repercussões sociais desta mediocridade: «pouco depois do apito final, os adeptos encarnados atearam fogo a uma das bancadas do Municipal de Portimão.» Passada uma semana de hipocrisia, de aproveitamento e de uma indecente vitimização referente ao adepto do Benfica que se viu apedrejado e os diários pedidos para que a barbárie se visse condenada, é triste que nos vejamos forçados a relatar os permanentes episódios de violência e de vandalismo praticados há décadas por aqueles que justamente mais se queixam. Pelos vistos, do fogo posto que devora milhares de hectares de mata no Verão e no Outono em Portugal, passámos rapidamente para o lançamento ao vivo de bancadas em chamas no Inverno, também em Portugal, isto para não falar da carga de pancadaria com que a polícia e os stewards do Benfica brindaram as pessoas que há duas semanas visitaram a Estádio da Luz a partir de Braga. Já no Algarve, como se viu ontem, não fosse a diligente resposta dos esclarecidos e bem treinados bombeiros de Portimão, mais de duas mil pessoas teriam certamente morrido carbonizadas no interior daquele recinto.

    https://www.record.pt/futebol/futebol-nacional/liga-nos/benfica/detalhe/adeptos-do-benfica-atearam-fogo-a-bancada-apos-jogo-com-o-portimonense?ref=Detalhe_Relacionadas

    Enfim, noutras frequências, incomparavelmente mais saudáveis, vitória para o City (nada surpreendente, e uma que não afastará o Liverpool da obtenção do título), e mais uma vitória para o Sporting, claro. Sem qualquer menosprezo pelo Holandês, pelas suas ideias positivas, pela sua tentativa de jogar bem, pela sua muito boa habilidade no trato com os jogadores, futebolisticamente, sem que fosse aquilo que deveria ser, vão-se salvando os resultados, e olhada a história recente do clube, isso já é muito bom …

  4. De uma forma provocadora, seria interessante perceber também como a preparação de uma equipa choca com a realidade.

    Na senda do post em que partilharam a preparação do Benfica para enfiar um cabaz no Braga, haverá alguém disposto a partilhar a sua preparação para um jogo que perdeu? Quiçá a versão anotada com “isto aqui foi o que correu mal”, “isto não conseguimos fazer”, “o adversário anulou isto”… É que por vezes aprendemos mais quando corre mal do que quando corre melhor do que esperado.

  5. Não concordo de todo que o Ruben Dias esteja no mesmo patamar do Jardel principalmente no que toca ao conforto e capacidade para sair a jogar. Neste mesmo jogo existem exemplos de como em algumas situações de fraco posicionamento ofensivo coletivo o Rúben fixa e até transporta a bola quase ao último terço com sucesso (por falta de melhores opções) ou por sua vez opta por um passe vertical “queima-linhas” para o corredor central (dos poucos que se fazem neste processo ofensivo do Benfica), conseguindo usar facilmente os dois pés.
    Sem falar só neste jogo e de um modo geral, noto também que quando o faz não é de forma tremida, insegura e de fraca qualidade técnica, como por exemplo se nota com o Jardel, faz passes longos de qualidade técnica e critério. Na minha opinião, se considerarmos a linha defensiva da equipa + Fejsa, a seguir ao Grimaldo, o Ruben é claramente o mais capaz no campo construtivo (o André Almeida é curtíssimo). É sempre dos jogadores mais convictos, focados e assertivos da equipa atualmente, na minha opinião.
    De resto, concordo com tudo.

    • Ou sou eu o cego ou és tu. O RD não acerta um passe, não sobe com a bola controlada uma vez. É pior que o Jardel com a bola nos pés, o que não é fácil. Está ao nivel das distritais. Palavra de honra que não percebo o que fazem nos treinos.
      Mas não é só isso. Raramente fazem um passe de primeira, têm sempre de parar e depois passar, quando não precisam de 3 ou 4 toques para preparar o passe. E nisto passam varios segundos. Tambem nunca fazem um passe directo para o lateral do outro lado, sem ter de passar primeiro pelo outro central. E podia continuar mas acho que nem é preciso.
      Contra o Aves, os centrais e o AA falharam todos os passes que fizeram para a frente. Anteontem não tentaram um passe vertical uma unica vez, pelo menos que me lembre.

  6. Deve ter sido por causa dos adeptos (não desvalorizo as questões mentais, pelo contrário, acontece que o problema está mais em baixo). O Brian Laudrup era bom mas bom a sério, a sério, era o Michael Laudrup. O Rui Vitória tem algumas qualidades evidentes – mas que não chegam para desencalhar da fase abécula. Mais abécula ainda foi quem lá o meteu sem que o visado tivesse demonstrado tal competência ou perfil para isto. Quanto à qualidade do plantel julgo não haver grandes dúvidas, especialmente quando comparamos o potencial deste plantel+equipa B com o potencial dos outros clubes. Quem anda a queimar gente como o Félix tem sido queimado esta época só pode estar louco, no mínimo.

  7. Olá. E há algum central capaz de fazer isso no plantel ou na B ? Por exemplo, já se ouvi aqui falar do Ferro, faria sentido o Lage que já trabalha com ele diariamente apostar nele no próximo jogo ?

  8. O mais estranho desta situação toda, o que é um grande mistério para mim, é que um gajo que qd teve oportunidade usou sempre o Lindelof e o Nelson Semedo, se tenha sujeitado a ter uma defesa destas durante 1 ano e meio. Tudo bem que foi buscar o Ebuhei ( ou lá como se chama) e que se lesionou – não terem ido ao mercado imediatamente comprar outro do mesmo nivel e terem, em vez disso, dado-lhe o Corchia, que em tudo faz lembrar o do ano passado, é um autentico boicote ao trabalho do treinador. Não há duas interpretações aqui. Talvez contasse integrar o Conti aos poucos. Não dá para perceber.

    • Não sei quão ceguinho tem de se ser para dizer que Corchia faz lembrar Douglas em tudo. Mas vai daí é alguém em clara negação porque acha que Rui Vitória preferiu usar Lindelöf em detrimento de Lisandro López.

      • Faz lembrar porque nºao conta, veio emprestado so para dizerem que nao tinham la nenhum. É assim tºao dificil de compreender? Eu nem o conheco mas qd o vi em campo parecia que ainda andava no liceu.
        Entao o Lindelof nao foi sempre titular desde o primeiro jogo que fez? Primeiro sentou o Luisao e depois o Jardel. Nunca saiu da equipa.
        Mas tu já terás passado a 4 classe? ou bebeste demais?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*