Vietto – Bruno – Dost; o quadrado no corredor central, e um lugar para Acuña

Nem sempre é possível perceber um padrão claro no ataque posicional do Sporting, mas há posicionamentos que se começam a repetir e que se tornam perceptíveis sobre como Marcel Keizer pretende fazer a bola chegar ao último terço.

Duas características evidentes:

  • Quadrado no corredor central – Dois médios mais baixos e Vietto que se junta a Bruno Fernandes por dentro, à frente dos dois médios. Quando pressionados, rodam – Wendel sobe, Bruno baixa;
  • A presença de Bruno Fernandes e Vietto por dentro torna-os apoios próximos do ponta de lança (Bas Dost ou Luis Phellype) – Mais adiantado fica portanto o avançado centro, mas também Raphinha no corredor direito, o que sugere que Acuña terá um papel determinante no corredor oposto, uma vez que ficará como toda a profundidade do campo à esquerda.
Vietto e Bruno formam um triângulo com Dost – Por norma movimentam-se nas costas dos médios adversários, mas com bola em zona mais baixa também saem para receber no pé; À direita há um posicionamento profundo (Raphinha) que não há à esquerda, onde o lateral aparece e não está.
Corredor Esquerdo à espera da resistência física de Acuña
Pressionados, triângulo do meio roda – Wendel sobe; Bruno baixa
A diferença de posicionamento em profundidade dos laterais; Vietto defende na ala mas é mais um elemento de corredor central nas costas do avançado centro; o quadrado entre médios defensivos e ofensivos


MAIS CONTEÚDOS EXCLUSIVOS  na página de patronos deste projecto. Recordamos que 1 dollar mês será desde logo uma grande ajuda, e suficiente para poder ver tudo o que é por nós produzido

Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3618 artigos
Pedro Bouças - Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, Cursos de Treinador e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã" da PrimeBooks. Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

1 Comentário

  1. Analisando o Sporting apenas do ponto de vista dos processos, honestamente não considero a organização ofensiva tão ruim como por vezes alguma imprensa pretende divulgar. Não obstante, continuo a achar, tendo em consideração que na maior parte dos jogos o Sporting estará por cima dos adversários, que a melhor solução passaria por aproveitar as competências defensivas de Bruno e Wendel e jogar em 4x4x2 “clássico” com Dost e Vietto na frente. O problema é defensivo. Mathieu é enorme, mas não vai chegar para tudo e a situação torna-se muito mais frustrante ao saber que o Sporting tem jogadores minimamente capazes de aprender (Acuña, Coates, até Ristovski com JJ chegava a ser competente), mas os ensinamentos não são os melhores…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*