Ideias Amorim – Mais uma vitória leonina

Se o modelo tático já era conhecido e percebia-se que dificilmente seria alterado, faltava perceber como pensa inserir cada jogador no seu modelo, e o Estágio no Algarve deu indicações mais concretas, com o Sporting a mostrar-se competitivo e competente.

Pressão do Sporting

Curtas da vitória sobre o Belenenses, e Ideias Finais dos jogos em solo Algarvio:

  • Se por um lado, o Sporting é uma equipa que, defensivamente, desde a chegada de Ruben Amorim, é extremamente competente no seu 523 e altamente pressionante, demonstrou na partida sinais de crescimento no seu momento ofensivo com o avançado centro a baixar para o espaço entre-linhas com maior frequência, funcionando quase como um 10 – Jovane foi o Avançado Centro nas duas partidas que alternou na posição com Sporar. Será para manter? O caboverdiano confirmou que recta final da temporada passada não foi um acaso e é hoje bem mais jogador do que o que havia mostrado até então – Tem características para entrar nas movimentações pedidas por Amorim ao trio da frente – Alternar movimentos de profundidade com apoio;
  • Pedro Gonçalves demonstrou desde logo a qualidade que se preconizava, temporiza e decide como poucos ao nível da primeira Liga;
  • Fruto da altura da última linha do Belenenses ao longo do jogo, o Sporting foi aproveitando com eficácia a profundidade com movimentos dos extremos de dentro para a profundidade ou do seu avançado centro – Sporar voltou a marcar, e embora não demonstre nenhuma capacidade técnica ou física especial, é um jogador com intuição para os movimentos sem bola;
  • Nuno Mendes continua a demonstrar todo o seu potencial, afirmando-se como o sucessor de Acuna na lateral esquerda leonina – O velocista que poderá beneficiar da clareza e assertividade de execução e decisão de Pote ou Nuno Santos;
  • Matheus Nunes, Daniel Bragança, Rodrigo Fernandes e Wendel foram os quatro médios centro utilizados, e todos trazem características diferentes que poderão ser aproveitadas. Matheus é muito forte no trabalho defensivo e confiante poderá ser um elemento para carregar a construção, enquanto Wendel é o oposto – Muito mais forte no momento de conduzir e provocar a estrutura defensiva adversária mas menos capaz de ajudar a equipa no processo defensivo, mesmo que tenha também capacidades condicionais extraordinárias. Rodrigo Fernandes é alto e forte, mas “anda” pouco e num meio campo a dois tal poderá ser um factor importante de exclusão, pese embora tenha um nível técnico muito bom, que se faz notar na capacidade para tirar a bola das zonas de pressão descobrindo colegas bem longe do centro de jogo. Já Daniel Bragança mostrou-se a um nível bem apreciável. Se é um facto que não tem o potencial para a dominância defensiva dos colegas, o sistema com três centrais protege a equipa que poderá assim aproveitar melhor a qualidade com bola do talentoso baixinho. Poderá ser uma solução para acelerar o jogo desde trás, pelos espaços que descobre;
  • Pote, Nuno Santos, Plata, TT e à espera da chegada de Vietto, e da confirmação do espaço que preencherá Jovane, são à partida as opções para as duas posições de “10” ao redor do Avançado Centro, que ficam com a responsabilidade de defender o corredor lateral na linha média. Pote e Nuno são eficientes, inteligentes, decidem bem e executam melhor. São aparentemente as duas melhores opções para criar em espaços curtos mas concorrem por um lugar? Difícil perceber por agora o que idealiza Amorim, mas sem Vietto, talvez juntos ao redor de Jovane permitisse maior rendimento em zonas de criação – Não negligenciando que TT mostrou que a sua mobilidade e destreza pode ser utilizada já na presente temporada.
  • Boa surpresa o central Gonçalo Inácio, ele que cresceu como lateral, mas cujas características são bastante mais interessantes para a posição central do que para a procura de desequilíbrios em velocidade no corredor lateral – Comandou defensivamente a linha, e ainda entregou uma série de bolas com “açúcar” para as zonas de criação – Que grande imagem deixou. Neto, Coates e Feddal deverão ser o trio de centrais, e embora estejam ainda longe de um rendimento seguro, Quaresma e Inácio têm potencial para crescer no plantel, indo reforçar a equipa B quando ausentes da convocatória da equipa A

Já és nosso Patrono? A um dos 400 ❤️🧠⚽️
Por 1$ mês acesso a conteúdo exclusivo:

4 Comentários

  1. Sporting tem margem d progressão enorme, mas curto para lutar por títulos:
    Face a rendimento de pre época ate a data e sem “olhar” a estatutos/idade

    – Inacio tem que jogar no 11, bastante superior a Feddal. tem tudo para ser um central de classe mundial.
    – Quaresma superior a Neto, embora esteja algo verde para este nível, no
    momento na construção. Reforço de Lyanco seria boa alternativa!
    Na minha opinião seria
    Max (dar continuidade)
    Quaresma, Coates, Inacio
    Nuno Santos (pela drt, tem tomada decisão acima de media, capacidade de baixar, Risto/Porra não tem nível para SCP)
    Wendel, Matheus (pela capacidade física que exige o 352, falta tomada decisão mais apurada – Bragança à espreita)
    Nuno Mendes (uma certeza)
    Pote, Sporar (TT com tempo e evolução, ganhará titularidade), Jovane

    ps: esperar pela evolução técnica e principalmente fisica de Joelson…alguém terá que sair depois

    Reforços – CD (lyanco?), avançado (espanhol do Famalicão, um diamente em bruto)

      • Com base na exigência de um clube como um SCP.
        Para alem da falta de qualidade evidente, é inadmissível os quilos a mais com que se apresenta.
        Posição de ala direito neste esquema de 523, é o mais em défice no meu entender.
        Respeito opinião de qum disser o contrarrio, mas há jogadores que não enganam pela sua pouco qualidade para jogar ao mais alto nivel, Porro…e Plata por exemplo!

  2. Do que vi este Sporting é uma equipa com muito potencial, tem lá muitos miúdos que podem ser casos sérios. No entanto, creio que todo esse potencial precisa de estabilidade e vitórias para aparecer. A ausência de experiência nesta equipa é um caso de estudo. A dispensa de jogadores como Palhinha ou Acuna, apesar de poderem proporcionar mais valias financeiras, parecem-me erros de gestão e construção do plantel. Quando começarem a haver jogos ou sequência de resultados menos bons, virá a dúvida, a desconfiança e ou estes miúdos assumem ou a equipa e todo o trabalho realizado poderá vir por água abaixo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*