Taarabt, um despertar tardio

Pormenores. São eles que traçam a muy ténue linha entre a ribalta e a desilusão. E foi nesta fronteira onde sempre viveu Adel Taarabt.

O marroquino destaca-se pela forma como consegue romper linhas adversárias em condução e, sobretudo, através do passe, aproximando, assim, a equipa do golo; por outro lado, é no próprio passe onde falha mais vezes, dado o risco que cada bola sua comporta. É o primeiro a deslocar-se a alta velocidade no momento de reação à perda; e são essas mesmas ações que o desgastam de sobremaneira, impossibilitando-o de passar a barreira dos 60min com frescura física e mental que lhe permitam manter o nível durante todo o jogo. Ao contrário do que muitos dizem, o marroquino raramente se coíbe de defender; porém, encontra-se sempre mal posicionado (pois, com bola, foge bastante da posição e não antecipa uma eventual perda) e entra sempre de primeira no desarme, acumulando um sem número de faltas escusadas e que lhe valem cartões. Resumindo, Adel Taarabt é adorado por muitos, mas odiado (incompreendido?) por outros tantos. De facto, a vida do marroquino sempre foi feita de contrastes, os mesmos que compõem este parágrafo que acabou de ler.

O que muitos desconhecem é que, no passado, Taarabt era apontado como uma estrela emergente. Aos 17 anos, o “miúdo” natural de Fès estreava-se pela equipa principal do primodivisionário Lens. O Tottenham acabaria por assegurar o wonderkid em 2006/07 por empréstimo dos franceses. No entanto, seria no Queens Park Rangers que Taarabt viveria a melhor fase da carreira.

Com apenas 22 anos, Taarabt seria peça basilar duma equipa adquirida por Tony Fernandes, empresário malaio que se tornara dono do clube londrino. Contabilizando 19 golos em 44 jogos, o médio ofensivo acabaria por vencer o prémio de melhor jogador do competitivo Championship, sendo a figura de proa dos campeões QPR. Ingressaria no AC Milan por empréstimo, apesar do interesse do PSG, que nessa época já atacava o mercado com um grosso punhado de petrodólares. Apesar de se ter exibido a bom nível pelos milaneses, voltaria ao QPR, perdendo espaço época após época, até chegar ao Benfica. O resto, já sabemos…

Adel Taarabt no Queens Park Rangers

Incrível como algumas lesões, um aumento de peso descontrolado e casos de indisciplina pelo meio desviaram Adel daquilo que poderia ter sido uma carreira de altíssimo nível internacional, onde nunca uma equipa do campeonato português se atreveria sequer a apresentar-lhe uma proposta. Não fosse Bruno Lage a tirá-lo da lama, e Taarabt poderia até, neste momento, ser um jogador aposentado.

No atual Benfica, Adel continua a viver no risco. As suas ações tanto podem culminar numa assistência que mais ninguém no campeonato teria capacidade para antever e executar, como em transições que comprometem toda uma equipa. Junte-se a isto o facto de coabitar num meio-campo a dois no qual, independentemente do médio que jogue atrás de si, o equilíbrio nunca estar garantido. Quão confortável estaria o marroquino a jogar a 10 num 4-3-3, onde os outros dois companheiros de setor acautelariam as suas perdas de bola, bem como o libertariam para que o mesmo deambulasse pelo último terço, em busca do último passe que tanto o destaca? E quão conservada estaria a sua condição física à entrada para a última meia hora, se este não fosse obrigado a deslocar-se tão intensamente para defender?

Neste período atípico que o Benfica atravessa, as dúvidas pairam sobre todos os jogadores, sem exceção. Contudo, nunca a qualidade poderá ser um problema e, neste sentido, resta a Jorge Jesus ter a arte e o engenho de enquadrar Taarabt da melhor forma, ajudando-o e ajudando a equipa a minimizar os seus erros em situações de risco, mas também zelar para que a sua melhor versão consiga continuar a alimentar as zonas de finalização como pouquíssimos em Portugal conseguem fazer. É claramente um jogador diferenciado pela refinadíssima qualidade técnica, mas também pela visão de jogo.

Compreenda-se o incompreendido. Pois Taarabt despertou apenas há dois anos e, felizmente, também já se terá compreendido a ele próprio.

Os nossos Videos são criados com

Sobre Yaya Touré 27 artigos
Amante do treino. Pensador do jogo. 💡

10 Comentários

  1. Acho que o problema no Benfica, e acho que vocês já comentaram o mesmo, é que o JJ está a tentar adaptar os jogadores que tem ao seu modelo, em vez de adaptar o seu modelo aos jogadores que tem… O Taarabt nesta posição, com as responsabilidades que tem, não está a atingir o seu potencial de rendimento.

    • Já digo isto há muito tempo… Os jogadores passam por incompetentes, mas quanto poderia ser diferente se fossem enquadrados num modelo que os potenciasse…

    • Esse é o problema do Benfica à muito tempo nas suas contratações…e estou a falar ainda antes da primeira passagem do JJ.
      O Benfica primeiro compra jogadores e depois é que vai ver de que forma se encaixam no modelo de jogo do treinador. O FCP só compra jogadores para o modelo, o SCP e SCB o mesmo…mas o Benfica foi comprar avançados e extremos com características diferentes do modelo de jogo que pratica, levando a adaptações. Às vezes adaptam-se, outras não…o problema é quando são jogadores que custam 10 ou mais milhões.

  2. Taraabt é um jogador de futebol. Isso implica risco, rasgo, criatividade, coragem para assumir o erro e voltar a tentar. O futebol actual precisa de jogadores assim e não dos burocráticos e cobardes “médios passa para o lado” que vão fazendo moda por estes campos fora.
    Porque adoro futebol, agradeço a Taraabt e a outros artistas semelhantes que fazem o possível para que o futebol permaneça uma admirável arte e não se transforme num sensaborão e enfadonho jogo.Mesmo contra os dogmas actuais da ordem e do equilíbrio a todo o custo.

    • Problema é que o Taraabt, a jogar onde joga, não pode colocar a equipa em check tantas vezes por jogo. Não dá. Se o treinador do Benfica colocasse os jogadores a jogar na posição onde eles podem render mais, talvez o Taraabt pudesse ter mais conforto e resguardo, com e sem bola.

  3. O artigo que mais gostei de ler neste site sobre o médio Marroquino. Subscrevo praticamente tudo. Muito bom, mesmo!

    Cumprimentos!

  4. Não me lembro qual o Football Managaer, mas é um bem antiguinho, julgo que 06 ou assim: o Taarabt era um dos principais wonderkids do jogo, porque não era muito díficil ir buscá-lo e em 2-3 anos tornava-se um monstro…era fácil contruir uma equipe forte à volta dele.

  5. O problema é que o Benfica táticamente ainda não está estável, principalmente a nível defensivo, e neste momento colocar no onze inicial um jogador que aumenta a instabilidade é um risco demasiado elevado que Jorge Jesus tem optado mas com maus resultados. Veja-se o caso do Sporting que apostou num sistema tática e jogadores que oferecem uma estabilidade defensiva e veja-se onde andam. A meu ver nesta fase o Taarabt não é jogador para entrar de início.

  6. Boas antes de mais gostei deste artigo está muito bom!
    Mas deu para ver que ele durante a estadia no QPR a sua posição em campo era muitas vezes mais sobre a esquerda onde as suas debilidades defensivas não eram tão expostas.
    Já no momento ofensivo o tar mais perto da linha e muitas vezes em situações de 1×1 ele era e ainda é fortíssimo e muitas das vezes aquela diagonal da esquerda para o meio permitia tanto poder chutar como romper a linha defensiva adversária com um passe a rasgar!
    E agora pergunto aqui a vossa opinião se neste esquema de JJ, visto que para a esquerda só parece contar com Cebolinha, não estaria aqui uma boa posição no esquema tático de Jorge Jesus ir rondando na posição de médio esquerdo entre Taarabt e Cebolinha?
    Cumprimentos e continuação de um bom trabalho! 👌

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*