Antevisão Sporting vs Benfica

O jogo durante vários períodos deve ir ao dos últimos clássicos. Marcados pela pressão na 1ª fase de construção e consequente disputa de bola em duelos, também por isso Palhinha fará falta.

Não obstante podemos tentar antever os espaços chave e situações que ambas as equipas irão enfrentar

O Sporting tem dificuldades na 1ª fase de construção e só resta saber como o Benfica irá pressionar sabendo que deverá replicar a forte pressão lateral testada com sucesso no Dragão

Várias hipóteses: ala do lado da bola encaixa no seu adv directo, o outro ala e um médio avançam para fazer igualdade numérica com os 3 centrais leoninos. Assim o lateral encarnado do lado contrário fecha bastante junto dos centrais para garantir igualdade numérica atrás. Aqui o Benfica pode condicionar o Sporting a um corredor (impedir circulação para lado contrário) e forçar jogo directo. É a solução mais previsível. Uma vez que Coates não participa muito atrás, a pressão e condicionamento iniciais até podem ser só exercidas por 2 adversários.

O jogo directo do Sporting deve alternar entre a procura das costas da linha defensiva e o ganho da 2ª bola pelos 2 médios ofensivos. Neste momento é muito importante que ambos estejam perto de Tiago Tomás (avançado com melhor perfil para o jogo de hoje, na minha opinião). Obviamente que uma ou outra bola podem entrar mas diria que, neste aspecto, o Benfica ganha vantagem. Os leões podem retirar partido em duas situações: com ala a saltar em ala Nuno Mendes e principalmente Porro têm boa capacidade para ultrapassar adversário directo, nomeadamente o espanhol com boa capacidade para conduzir de fora para dentro. Conseguindo enquadrar e com a linha média do Benfica estendida, o Sporting pode criar perigo. Por outro lado, quando no encaixe que certamente JM e Matheus Nunes vão ter dos seus adv directos haverá espaço nas suas costas. Aqui depende do grau de risco do Benfica e altura do bloco mas o espaço entre ala e médios centro é passível de ser explorado. E veremos como linha do Benfica irá reagir. Se o Sporting tiver posses um pouco mais longas pode tentar aproveitar as costas da defesa encarnada em momentos de indefinição.

O Benfica também pode encaixar directamente no Sporting: 3 centrais para os 3 da frente, ala com ala e igualdade no meio. Esta hipótese pode facilitar mais a tarefa atrás mas também, em teoria, pode tornar a equipa um pouco mais vulnerável aos passes interiores pelo chão dos leões

O Benfica vive um momento de indefinição até na forma como ataca, pré surto COVID, e será interessante ver por onde anda a bola quando estiverem a atacar

Foi assim no Dragão e acredito que hoje repita. 1ª fase de construção Weigl deve baixar para junto dos centrais, faz linha de 3 e laterais assimétricos na altura. Um arrasta pressão, outro (lado da bola) fica mais próximo à largura. Resultou pontualmente há 15 dias e acredito que hoje consigam também uma ou outra saída limpa assim com os alas (se jogaram com linha de 4) a receberem no half space. Os avançados podem fixar acção da linha de 5 e assim condicionar eventual pressão

O Sporting a pressionar alto como habitualmente pode ter dificuldades em controlar o espaço entre ala e médio. Com a desvantagem do MO do lado contrário não baixar rapidamente, o que deixa um espaço enorme no corredor central e pouca ocupação (só o médio que não saiu na cobertura). O Benfica hoje não poderá fazer a habitual ligação central aberto-lateral adiantado batendo a pressão da largura (alas SCP encaram de frente opositores) mas tem no lado contrário uma boa oportunidade.

Onde o Benfica pode retirar vantagem em ataque posicional? JJ tem escolhido rotas diferentes, se no inicio da época foi evidente a preferência quase exclusiva pelo corredor central, com alas dentro e colectivamente a forçarem o passe entre linhas, os últimos tempos têm trazido alterações: avançados declaradamente entre central e lateral adversário, a receber de frente e longe da baliza, maior privilégio pelo cruzamento e bola a chegar e a avançar fora mais vezes. Contra o Nacional, existiram várias situações de 2×2.

Nem o Sporting é perfeito a controlar cruzamento nem fecha especialmente bem o corredor central, expondo a linha de 5 (já lá vamos). Diria que o Benfica tem a ganhar colocando, hoje sim, muita gente dentro. Em circunstâncias normais, os alas terão espaço para rodar e enquadrar e talvez sejam as maiores ameaças. O Sporting a defender perto da sua área mantém a linha de 5 subida mesmo quando o portador não tem a bola pressionada isto significa que pode ficar exposto à bola nas suas costas (Moreirense e Rio Ave) e à meia distância.

Se o Benfica optar por um jogo mais flanqueado tem o exemplo do Braga na final da taça da liga na 2ª parte: atrair a um lado e aproveitar o contrário, pois os jogadores mais afastados da bola no Sporting ou não defendem tão baixo ou não chegam tarde.

Luca e Seferovic podem ser importantes a ligar por dentro.

O Benfica em transição of pode aproveitar duas situações: a clareira que se estabelece no meio fruto do adiantamento de um médio do Sporting e os 3 centrais estarem em linha e também o momento em que o Sporting procura passe atrasado para centrais, muitas vezes não recuam o suficiente e se os leões arriscarem podem ter perdas de bola comprometedoras

Aqui chegados, acho que o encaixe táctico favorece o Benfica mas não excluo duas medidas de RA: 1. não pressionar tão alto e baixar um, ou até os dois, médios ofensivos preenchendo o meio

2. A atacar tornar a estrutura do meio mais posicional e trocar o agora habitual 1+1 por 2 homens à frente da defesa para controlar transição. Menor mobilidade será também um apelo maior aos passes verticais dos centrais para ligar com os 3 da frente e portanto posses mais curtas.

O critério do portador da bola tem sido uma das principais questões do Benfica. Quer quando a situação é vantajosa, quer quando está sob muita pressão, quem tem a bola toma decisões bastante questionáveis, quase sempre a forçar progressão.

E se do ponto de vista táctico, o Benfica até pode levar uma certa vantagem teórica, emocionalmente o Sporting está melhor. Muito do possível sucesso encarnado passará por juntar a equipa e ser paciente. A classificação não ajuda e o espectro de ficar a 9 pontos também não.

A isto tudo, e certamente muito mais, veremos a reacção de ambas as equipas logo à noite

Sobre Lahm 31 artigos
De sua graça Diogo Laranjeira é treinador desde 2010 tendo passado por quase todos os escalões e níveis competitivos. Paralelamente realiza análise de jogo tentado observar tendências e novas ideias que surgem no futebol. Escreve para o Lateral Esquerdo desde 2019. Para contacto segundabola2012@gmail.com

2 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*