Simplicidade, variabilidade e muito critério: a estreia promissora de Paulinho

Paulinho precisou apenas de um par de treinos de leão ao peito para fazer a sua estreia, e logo como titular. A partilhar o ataque com Pedro Gonçalves e Nuno Santos, o ponta de lança português teve uma exibição solida, confortável e a mostrar que trará rendimento imediato à equipa de Ruben Amorim. O conhecimento do modelo de jogo é bem visível, e a possibilidade de criar uma grande dupla com Pedro Gonçalves deve entusiasmar os leões, visto que ambos os jogadores podem crescer lado a lado, depois de se mostrarem muito compatíveis e coordenados na estreia do avançado ex-Braga. Com movimentos muito inteligentes seja de apoio ou ruptura, Paulinho primou pelo que já conhecemos dele: o acerto na tomada de decisão e na valorização da posse de bola, algo muito importante num avançado de equipa grande. Roda quase sempre para o lado certo em transição e ataque rápido, encontra facilmente os seus colegas e através dos seus movimentos sem bola oferece não só uma linha de passe aos seus colegas, como atrai os defesas centrais contrários, criando espaços para atacar as costas da linha defensiva (TT e Nuno Santos serão essenciais nestas tarefas, juntamente com Pote).

A possibilidade de o Sporting encontrar Paulinho entre linhas traz mais alguma variabilidade ao jogo leonino, visto que faltava uma referência ligeiramente mais física mas também com qualidade técnica necessária para jogar de costas para a baliza, segurar a bola e combinar em espaços mais centrais. Acredito que com Pote e com o regresso de João Mario começaremos a ver um Sporting com mais e melhores opções no ataque, variando o ataque à profundidade dos seus extremos com o jogo mais apoiado no corredor central, sempre com Paulinho em evidência. Uma estreia simples, com muitas ações certas e bastante promissora para o atacante leonino, que será peça chave no ataque ao tão desejado título pelos homens de Ruben Amorim. Ficam então alguns dos melhores momentos de Paulinho na sua estreia que, mais do que brilhantes, são principalmente muito compatíveis com o modelo e colectivo sportinguista :

Os nossos Videos são criados com

Sobre RobertPires 69 artigos
Rodrigo Carvalho. 23 anos, experiência como treinador adjunto e analista em equipas séniores em Portugal e nos Estados Unidos. Passou pela Federação de Futebol dos Estados Unidos no departamento de Formação de Treinadores. Em colaboração com a Proscout, trabalhou diretamente com equipas técnicas profissionais e produziu relatórios de jogadores. Podem seguir muito do seu trabalho em @rodrigoccc97 no Twitter.

5 Comentários

  1. Reencontrando-se com o seu ex-treinador e toda a confiança que RA nele deposita, integrado numa máquina bem oleada / numa equipa que só sabe ganhar, motivado por uma “vida nova”, um contrato melhor, a possibilidade de ganhar títulos e de ser presença assídua na selecção nacional, ele fará tudo aquilo que fez em Braga, mas mais vezes, e melhor, muito provavelmente.

    “Paulinho é diferente.” Tudo isto é muito entusiasmante Robert Pires.

  2. A diferença de uma época pensada com pés e cabeça. Com contratações cirúrgicas, pensadas para o modelo de jogo do treinador e não comprar só para mostrar saúde financeira.
    Tiro o chapéu ao grande trabalho que estão a realizar no sporting.

    Merecem desde já ser campeões e acredito que o vão ser.

    Pena o meu clube não ter esta liderança

    • Os resultados pesam muito. Vitórias a fio produzem mais vitórias. Perdas inesperadas de pontos fomentam a dúvida, produzem más exibições, não sempre mas muitas vezes.
      Veja-se a recepção ao Sporting de Braga. A “estrelinha” esteve toda do lado do Sporting. Aquele filme de jogo repetido 10 vezes, o Braga venceria 7 ou 8.

      Isto para dizer que nem o Sporting é tão bom quanto os resultados sugerem nem (por exemplo) o Benfica é tão mau quanto um 4º lugar repartido com o Rio Ave.

      Logicamente, nada acontence por acaso. Uma equipa tem menos problemas do que a outra e por isso soma mais pontos, mas diferenças de 11 ou de 6 não são reveladoras da real distância que as separa.

    • Eu acho que o Paulinho é muito especial no que traz à equipa, e vejo André Silva a evoluir imenso (posturas corporais muito semelhantes a Ronaldo) mas muito parecido a CR7!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*