Detalhes da muralha azul – A noite de Tomás Ribeiro em Alvalade

FUTEBOL - Tomas Ribeiro (esq) e Tiago Tomas no Sporting - Belenenses SAD, jogo da 28 Jornada da PRIMEIRA LIGA 2020/2021. Estadio Jose Alvalade, em Lisboa. Quarta Feira, 21 de Abril de 2021. (Miguel Nunes/ASF) SPORTING BELENENSES SAD

Petit prometeu criar grandes dificuldades ao líder Sporting CP em Alvalade e fez justiça às suas palavras, estando a vencer por dois golos até uma fase bem adiantada da partida e conseguindo sair com um empate que deixa a luta pelo título cada vez mais acesa. A organização defensiva dos azuis contemplou uma estrutura com linha defensiva de cinco elementos (numericamente o ideal para conter os leões que muitas vezes projetam simultaneamente os alas para a profundidade e largura máxima, deixando o trio ou dupla da frente – consoante o posicionamento de partida de Pedro Gonçalves – a ameaçar constantemente a profundidade em corredor central ou a procurar movimentos de apoio atraindo a si os centrais e reduzindo as linhas defensivas em números) e teve sucesso durante grande parte do encontro, com particular destaque para a exibição de um jovem central que tem vindo a dar cartas no presente campeonato.

“É um miúdo com muita qualidade, um dos melhores activos que temos. Vai ter um futuro brilhante. Tem talento para voos mais altos”

Petit

Fazendo também parte de uma das gerações mais talentosas dos últimos anos no futebol português (geração de 99), Tomás Ribeiro atuou como já é hábito como central do lado esquerdo na linha de 5 e voltou a demonstrar alguns dos atributos que já fizeram com que os seus serviços fossem muito cobiçados (esteve muito perto de assinar pelo Vitória SC no mercado de inverno):

  • O padrão motor como recurso tático – apesar de não apresentar capacidades condicionais muito acima da média (não excele na velocidade e mesmo o perfil de altura com 1.85m está no limite inferior da média para a posição) compensa pelo conhecimento que tem do próprio corpo e da sua motricidade demonstrando uma capacidade para orientação corporal em contexto de linha já muito acima da média (tem os timings certos para alternar a colocação dos apoios e os tipos de deslocamentos que deve adotar), algo que está ligado ao próprio conhecimento do jogo que tem e que lhe permitem ser forte seja no controlo da profundidade e dos movimentos de apoio (fez a vida muito difícil a Tiago Tomás, que massacra frequentemente as linhas nestes movimentos) bem como no controlo de cruzamento (onde o posicionamento e a impulsão lhe permitem ganhar os duelos aéreos apesar da estatura).
  • O duelo individual, um 2º jogo dentro do jogo – principalmente nos duelos “pelo chão”, tem um domínio já bastante interessante das ações técnico-táticas defensivas de desarme, marcação e antecipação, ganhando muitos duelos individuais e sendo um central muito difícil de bater em situações de drible/finta/simulação (ver no vídeo abaixo). Mesmo apanhado em algumas situações de 1v1 no espaço ou quando encurtava à frente da linha sobre os criativos do Sporting, conseguiu ter sucesso na maioria delas com a tranquilidade e sobriedade que tão bem o caracterizam.
  • Uma construção canhota – apesar de neste jogo se ter protegido um pouco mais na fase de construção (como é normal), foi possível vislumbrar por algumas vezes a perspicácia que tem para ligar verticalmente em passe para as costas da pressão (ver no vídeo abaixo), o que se revelou útil nalguns momentos de transição já que os dois médios do Sporting são geralmente atraídos à pressão por referências individuais, deixando algum espaço nas costas. Tendo um central com este conforto de associação em passe (e canhoto, uma grande vantagem) e na progressão com bola, há condições para que a equipa de Petit jogue com a linha de construção bem larga e que Tomás seja muitas vezes quase um central-lateral.

Os nossos Videos são criados com

Juan Román Riquelme
Sobre Juan Román Riquelme 32 artigos
Fábio Baptista. Experiência como analista em equipas de formação e atualmente em contexto de seniores em Portugal, tanto em análise qualitativa como quantitativa, da própria equipa e do adversário. Vive sob o lema: conhecer o jogo, manipular no treino e assim influenciar o rendimento.

1 Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*