É de família (literalmente) – Há outro Félix por aí à solta na formação

“Com a idade dele, eu nem tinha o caparro que ele tem, nem fazia coisas que ele faz. Ele bate melhores livres do que eu e eu bato melhor penáltis, mas jogamos mais ou menos nas mesmas posições. No futebol, é preciso jogar simples, mas gostamos de fazer algo diferente, que anime o público e nisso temos algumas parecenças. Desde pequenos vimos um e outro a jogar e tentamos fazer igual.”

João Félix, sobre o irmão.

Devido a questões pandémicas e quase mais de um ano depois, regressaram as competições oficiais nos escalões de formação com a realização dos Torneios Nacionais (sub-15, sub-17 e sub-19), provas organizadas pela Federação Portuguesa de Futebol. Uma oportunidade para estes jovens voltarem a ter o estímulo competitivo em jogo (que por si só constitui também uma componente formativa) tendo em vista o seu desenvolvimento e também para voltarmos a ter um pequeno vislumbre daquilo que serão as gerações de futuro do futebol nacional. E é no Seixal que tem andado à solta um dos maiores talentos da geração de 2004: Hugo Félix. O irmão do jogador do Atlético de Madrid (quem não se lembra do terno abraço entre ambos na Luz) tem estado recentemente em destaque no escalão de Juvenis, mas já atuou pelos Juniores e inclusive já fez a sua estreia pelos sub-23 (com apenas 16 anos!) em Fevereiro, frente ao Cova da Piedade. Atuando normalmente como médio-interior de características mais ofensivas na estrutura de 1-4-3-3 padrão dos escalões de formação do SL Benfica, o jovem criativo apresenta já algumas características que o distinguem dos demais: a relação com bola, expoente máximo de uma coordenação motora que lhe confere um jogar muito elegante; a relação com o golo, seja pela espontaneidade de remate exterior ou pela capacidade de chegada à área partindo da posição de interior; a execução nos esquemas táticos, seja em ações de remate em distância ou cruzamento.

Convocado para o estágio de preparação tendo em vista o Europeu de Sub-17, é de esperar que Hugo Félix continue tranquilamente a sua evolução (de preferência como atualmente, em contextos de escalão acima que lhe causem mais e diversos tipos de problemas) e que possa ser mais um produto do Benfica Campus a bater à porta da equipa principal a médio prazo. Deixamos então alguns momentos do jovem médio nos Torneios Nacionais da presente época:

Juan Román Riquelme
Sobre Juan Román Riquelme 59 artigos
Analista de performance em contexto de formação e de seniores. Fanático pela sinergia: análise - treino - jogo.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*