Curta sobre desmontar linhas de 6 – Atrair para gerar rutura por fora

Desmontar linhas de 5, de 6 e de 7 representa um desafio óbvio para as equipas que passam grande parte do tempo de jogo em organização ofensiva. Mas a dificuldade faz evoluir e refletir. Se esta disposição do sistema defensivo torna difícil gerar superioridades numéricas no último terço, é preciso gerar uma superioridade posicional com dinâmicas que permitam retirar, momentaneamente, elementos à linha defensiva e gerar espaços para receber mais próximo da baliza. Uma solução interessante poderá ser algo que o Sporting CP tentou em alguns momentos do jogo com o Portimonense: colocar um elemento a atrair o central mais exterior do lado da bola, ativar movimento de apoio levando esse central para o espaço entrelinhas e subsequentemente o ala (totalmente projetado em largura e profundidade) pode ir em rutura (de fora para dentro) nas costas do ala adversário – que por sua vez não terá cobertura defensiva próxima do central atraído – ficando assim em zona de cruzamento naquela que, citando Fernando Valente, é situação favorável em momento ofensivo: conseguir colocar a linha defensiva voltada para a própria baliza. Para equipas que tendam a atacar em largura máxima e a explorar os corredores, poderá estar aqui uma dinâmica disruptiva para a linha defensiva.

Sobre Juan Román Riquelme 93 artigos
Analista de performance em contexto de formação e de seniores. Fanático pela sinergia: análise - treino - jogo. Contacto: riquelme.lateralesquerdo@gmail.com

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*