Destaques individuais do SL Benfica nos jogos do fim de semana

Markovic. Pequenos pormenores, na forma como recebe e conduz, que fazem perceber facilmente todo o talento. No mais, demasiada timidez. O que não é mau de todo se pensarmos que o torna mais responsável. Percebe-se o potencial imenso pela técnica e criatividade, mas estará por ora bastante longe de entrar no 11.
Djuricic. Um pouco como Markovic, mas numa fase bem mais adiantada, também por ser mais velho. Grande qualidade, mas somente a espaços. Jesus prepara-se para lhe entregar o ataque com Lima, e o sérvio terá de mostrar mais regularidade dentro do próprio jogo. Torne-se mais participativo e tudo o resto está lá. Tem imensa classe e sabe definir como poucos todas as bolas que lhe chegam. Um regalo a forma como ajudou a construir o segundo golo de Salvio no jogo de sábado.
Sulejmani. Os videos e as comparações feitas faziam prever um jogador mais veloz. Não o é assim tanto, mas é inteligente com bola e tem qualidade técnica. Bastante apagado como segundo avançado, por ter mostrado mais dificuldades para enquadrar em espaços mais reduzidos, será provavelmente opção maioritariamente para os corredores laterais, onde apesar da qualidade estará tapado.
Mitrovic. Muitas dificuldades no posicionamento e algumas abordagens precipitadas em situações defensivas. Muito pouco tempo para tecer considerações, ainda assim.
Lisandro. Mais sereno, e com mais qualidade ofensiva e defensiva que o colega sérvio. Muito para observar ainda, porém.
Bruno Cortez. É jogador da bola. Não é, ainda, de futebol. Tem talento, e excelentes qualidades físicas. Precisa de conhecer o jogo, porque simplesmente não o conhece. Defensivamente completamente perdido. A boa nova é que naquilo que não é possível o treinador mexer, Cortez é francamente bom. É mau no que é alterável. 
Silvio. A grande desilusão. Ao contrário de Cortez nem jogador da bola é. Uma falta de classe latente. Razoável tecnicamente, mas sempre com as decisões típicas dos laterais da distrital. Disparou bolas e bolas e bolas para onde tava virado. Aos dez minutos do primeiro jogo já tinha bombeado mais bolas sem nexo para a grande área adversária que os colegas todos no somar dos dois jogos. Raras vezes conseguiu que depois de tocar na bola, esta fosse jogada por outro colega. E das vezes que o conseguiu não soube nunca escolher o melhor passe e melhor timing. Defensivamente a comprometer. Sendo todavia de realçar que as dificuldades que revelou defensivamente são perfeitamente ultrapassáveis. Provavelmente uma maior condição física e disfarçará as lacunas demonstradas. Quer na direita quer na esquerda, parte como terceira opção.
André Gomes. Com o Bordéus o seu melhor jogo ao serviço do SL Benfica. Fosse sempre assim, e o plantel estaria bem fechado. Porque foi uma excepção em muitos outros jogos, fica a duvida se se deveu ao facto de estar num nível físico acima de todos os outros. Recorde que apenas parou uma semana.
Rúben Amorim. É um enorme acrescento físico, táctico e de decisão em relação a Carlos Martins. Será o “terceiro homem” do meio campo do SL Benfica. E tem mais do que qualidade para o ser.
Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3159 artigos
Criador do "Lateral Esquerdo", tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto - Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino. Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ). Autor do livro "Construir uma Equipa Campeã" da PrimeBooks. Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*