O melhor treinador português chega ao Sporting. Pequena preview. Take I.

A época 2015/2016 marcará definitivamente o regresso do Sporting ao lote de candidatos a Campeão de Portugal. Depois de quatro anos consecutivos sempre à frente do SL Benfica, seguiram-se seis anos sempre atrás, durante o legado de Jesus. Fica a expectativa para saber quando surgirá de novo a ultrapassagem.
A perspectiva de que terá de investir como nunca para satisfazer as necessidades do seu treinador é falsa. O plantel do Sporting não é tão inferior ao do SL Benfica como sempre se pretendeu passar, ainda que com a saída de Nani, não existam por Alvalade autênticos jokers como Jonas ou Gaitán. Em tudo o mais, sempre vimos no SL Benfica jogadores a renderem ao máximo do seu potencial por integrados num modelo de jogo extraordinário na realidade portuguesa. 
Pensar que Adrien, William, Paulo Oliveira, Jefferson, Montero ou Carrillo têm assim tão menos qualidade que Maxi, Eliseu, Jardel, Samaris, Pizzi ou Lima (e aqui está mais de metade da equipa titular campeã) é de loucos. Foi sempre o colectivo de Jesus a fazer emergir as individualidades. Por isso, sentiram sempre mais estes a partida que o colectivo benfiquista sentiu a falta de quem quer que fosse.

E se as maiores dificuldades individuais do Sporting são no sector defensivo, ninguém melhor que Jesus para não o temer. Com a sua competência tornou campeão um Benfica praticamente ao mesmo nível individual no sector mais recuado que o actual Sporting.

Possíveis figuras a emergir no Sporting no modelo de Jesus.

William Carvalho. Emerge desde logo como o grande candidato a dar o salto e tornar-se efectivamente merecedor das propostas mais elevadas. É uma posição muito valorizada por Jesus no seu modelo. William tem tudo o que o futuro treinador do Sporting aprecia. A robustez física que lhe permite ser central nas ideias do seu treinador, e a muita qualidade técnica para servir de referência para a saída de bola na construção. Em seis anos na Luz, apenas Matic tinha mais qualidade que o português.
Carrillo. Imagine aquela capacidade para desequilibrar num modelo que aproxima tanto os colegas. Que lhe permite mil e um caminhos alternativos e que não o condena ao registo único de forçar o 1×1. Carrillo deverá na próxima época finalmente cumprir todo o potencial que se adivinha e tornar-se numa das figuras de destaque da Liga portuguesa. Tem drible, tem qualidade técnica, tem imprevisibilidade, sabe finalizar. Como tantos outros extremos que no SL Benfica cresceram como não seria expectável com Jesus, o peruano deverá ser um dos grandes beneficiados da mudança.
Montero. Finalmente toda aquela criatividade, qualidade técnica, capacidade para decidir poderá ser aproveitada num modelo de dois avançados. O Jonas leonino, sabe temporizar e definir com classe. Integrado num modelo que tanto favorece quem joga na frente, porque privilegia as muitas opções ao portador, será uma das grandes figuras da Liga. Tem todas as qualidades técnicas e de decisão para ligar com qualidade o futebol do Sporting.
Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3012 artigos

Criador do “Lateral Esquerdo”, tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto – Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino.

Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ).

Autor do livro “Construir uma Equipa Campeã” da PrimeBooks.

Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*