Velasquez Vs Norton de Matos, Ideias totalmente diferentes

Apontamos os nomes, para que seja mais facil identificar, mas que fique claro que se está a falar de ideias, e não de pessoas.
Foi radicalmente diferente a postura dos adversarios de Porto e Benfica nesta jornada, sendo que terminaram os dois com o mesmo resultado, zero pontos.
Mas será que terminam os dois iguais?
O Belenenses tenta jogar longe da sua baliza, e mostra em todos os momentos ser uma equipa activa no jogo. Independentemente de conseguir ou não (com as equipas grandes é normal que não consiga devido as diferencas na qualidade individual dos jogadores), tenta ter iniciativa. E não estamos a falar apenas do que faz quando tem a bola.

Enquanto defende, “conduz” o adversario para espaços em que aumenta a pressão para tentar ganhar a bola. Tenta recuperar a bola longe da sua baliza, mostrando varias linhas de cobertura a pressão.

O Uniao da Madeira, fez 90 do seu jogo na linha da grande area, com todos os jogadores em cerca de 20 metros de profundidade. Era o “campo de minas” mais claustrofobico de que me lembro ver. E defendiam sempre de frente o que quer dizer que nao condicionam a tomada de decisao do portador.
Dando exemplos para tentar explicar melhor o que queremos dizer com isto:
– Se o portador da bola tiver linha de passe a esquerda e a direita, a formar um triangulo com ele, a defesa pode comportar-se de duas maneiras.
A) defende de costas para a sua baliza, impedindo a progressao, mas possibilitando que o portador da bola possa passar para a esquerda ou para a direita
B) Corta uma das linhas de passe, transformando o 3v1 num 2v1
Estas duas solucoes, mesmo nao tentando roubar a bola, sao totalmente diferentes. Uma delas está sempre dependente da escolha de quem tem bola, e a outra escolhe para onde a bola vai. O comportamento “B” mostra ao resto da equipa para onde ae bola vai, e permite actuar em conformidade.
Quando tinham a bola, as ideias eram tambem totalmente diferentes, enquanto o Uniao utilizava poucos jogadores e tentava chegar a baliza do Benfica o mais rapidamente possivel (Claramente trabalhado, e com alguma qualidade), os Belenenses tentam jogar de forma completamente diferente, utilizando todos os jogadores no processo ofensivo e jogando de forma a progredir seguros e sustentados no terreno.
No final, perderam os dois.
Que jogadores saiem mais valorizados? Os que defendem activamente, ou passivamente? Os que jogam tentando dominar o jogo, ou os que atacam o mais rapidamente possivel e com poucos?
Que “jogar” traz mais prazer a quem o joga?
Quem estara mais perto de vencer todos os jogos “do seu campeoanto”?
Paolo Maldini
Sobre Paolo Maldini 3047 artigos

Criador do “Lateral Esquerdo”, tendo sido como Treinador Principal, Campeão Nacional Português (2x), vencedor da Taça de Portugal (2x), e da Supertaça de Futebol Feminino, em três anos de futebol feminino. Treinador vencedor do Galardão de Mérito José Maria Pedroto – Treinador do ano para a ANTF (Associação Nacional de Treinadores de Futebol), e nomeado para as Quinas de Ouro (Prémio da Federação Portuguesa de Futebol), como melhor Treinador português no Futebol Feminino.

Experiência como Professor de Futebol no Estádio Universitário de Lisboa, palestrante em diversas Universidades de Desporto, e entidades creditadas pelo Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ).

Autor do livro “Construir uma Equipa Campeã” da PrimeBooks.

Analista de futebol na TV e no Jornal Record.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*