O Leicester português

Não é um elogio, naturalmente. Mas pense assim: O Leicester venceu a Premier League.

Leicester não pela dimensão, e muito menos por ser um feito incrível uma possível conquista da Liga, quando a equipa azul e branca tem um plantel verdadeiramente formidável (poderia ser melhor, pois claro. Tal como o dos rivais), mas pelo tipo de jogo que preconiza. Com tanto talento para fazer diferente, diga-se.

O futebol que a equipa de Nuno Espírito Santo apresenta em demasiado tempo a cada partida que vai disputando é um autêntico deserto de ideias.

É interessante a largura e profundidade total que os laterais oferecem em construção, pela forma como coloca muitas dificuldades nos adversários sob como defender em tais situações. Baixando alas, fica uma linha defensiva muito extensa e somente três no meio campo que seria sempre fácil desmontar com toque e paciência. Porém, apesar da boa ideia geral do posicionamento, nunca o aproveita verdadeiramente a equipa portista.

O Leicester português porque ganha. Porque surge nesta fase tão perto do título (é líder provisório) por erros e demérito dos adversários directos (SL Benfica e também Sporting), que o foco e a adrenalina que aumentam a vontade de vencer, em cima das qualidades individuais e da capacidade para vencer duelos no choque vão aproximando o FC Porto das vitórias. Sempre de forma menos pensada, mas mais recuperando um estilo de luta permanente por toda e qualquer bola que tanto o caracterizou.

Na primeira parte no Dragão, não estava fácil chegar à vantagem. Ainda que pela forma como nunca permite que o adversário finalize sequer qualquer lance, o FC Porto possa sentir que um golo será suficiente. E fazer um golo não é nada de extraordinário quando os “panzers” surgem na área.

O golo que coloca a equipa de Nuno na frente do marcador, tão comum a tantos outros que vêm servindo para o adiantar no marcador. Um rasgo individual. Uma bola parada. A personificar bastante bem o futebol que trouxe para o Dragão o ex treinador do Valência.

Muito longe em qualidade colectiva, que depois acaba sempre por se reflectir no menor aproveitamente individual, vão os duelos do FC Porto de Vitor Pereira com o SL Benfica de Jorge Jesus.

 

Rodrigo Castro
Sobre Rodrigo Castro 109 artigos

Rodrigo Castro, um dos fundadores do Lateral Esquerdo. Licenciado em Ed física e desporto, com especialização em treino de desportos colectivos, pôs graduação em reabilitação cardíaca e em marketing do desporto, em Portugal com percurso ligado ao ensino básico e secundario, treino de futsal, futebol e basquetebol, experiência como director técnico de uma Academia. Desde 2013 em Londres onde desempenhou as funções de personal trainer ligado à reabilitação e rendimento de atletas. Treinador UEFA A.

14 Comentários

  1. Boas!

    Apesar de concordar plenamente com o texto dei por mim a pensar numa situação: será que este futebol tão sôfrego imposto por NES não se deve, em grande parte, à pressão/necessidade que este sente em ganhar algum título pelo Porto ? Não será este futebol apenas fruto de necessidade imediata ?

    Li numa entrevista do Leonardo Jardim onde este afirmou que, aquando da sua passagem no Sporting, sentiu uma pressão/necessidade enorme de vencer devido à situação em que o clube se encontrava (numa necessidade extrema de títulos) adotando ideias de jogo semelhantes às de Nuno.

    Até que ponto a ideia de jogo do Porto não está condicionada pelo sentido dr urgência que o treinador sente ? Até que ponto é que esta pressão não condiciona o treinador de um ponto de vista psicológico ?

    Continuação de bom trabalho !

  2. Caro Rodrigo Castro

    Falta jogar em bloco ao FCPorto.

    Basta ver no vídeo aos 9 segundos que quando Brahimi fica com a bola, Alex Teles consegue correr mais devagar sem bola do que Brahimi com bola e perturbado pelos adversários.

    Na foto também se pode ver o péssimo posicionamento de Filipe que deveria ter subido rapidamente para lá do meio-campo.

  3. Comparação tão infeliz. Comparar o que aconteceu ao Leicester com o que faz este FC Porto nem parece de alguém que vive no meio…
    O Porto de NES é muito pouco trabalhado, é um facto, mas compara lo à sorte incrivel que o Leicester teve na época passada, aliado a uma pessima temporada de todos os candidatos vai uma grande diferença.
    Para alem que o FC Porto tem mais que qualidade individual para vencer este campeonato, e porque apesar de não ser bem trabalhado percebe se pelo menos que há ideias implementadas (se concordamos e gostamos ou não já é outra historia), ainda que essas ideias dependam unica e exclusivamente as condições fisicas dos seus jogadores para os duelos individuais.
    Aposta muito em bolas paradas, mas como já se falou por aqui esse é a par da organização defensiva/ofensiva e transição defensiva/ofensiva um momento do jogo que não pode ser descurado e tem que ser treinado.

    Percebo parte da comparação, mas acho que no geral é um enorme exagero

  4. O Leicester nunca tinha ganho uma Premier League. O FC Porto é só o clube com mais títulos internacionais, SETE, a jogar em Portugal. Comparação infeliz. Se querem um site para todos, há que ter respeito por todos. O Leicester nunca foi o melhor ataque e a melhor defesa do campeonato. E se nós falhamos, sabemos porque o nosso adversário direto raramente falha. Cumprimentos.

      • Edson Arantes do Nascimento, se isto é nome para alguém, a ti vai-te doer muito mais em Maio. Não penses que isto vai continuar. Podem continuar com as vossas postas de pescada, sempre foi assim. Eu não costumo fazer nada que me doa. Se te costuma doer, visita um proctologista. Ou então, dedica-te a hobbies mais convencionais.

  5. Uma mentira repetida mil vezes não se torna verdade. O plantel do Porto é na melhor das hipóteses e com muito boa vontade ligeiramente inferior ao do Benfica.

    Não faz sentido vermos odes semanais (aqui mesmo) ao Nelson semedo, ederson, grimaldo, lindelof, fejsa, Rafa, Pizzi, Jonas e outros e depois dizer que o Porto é que tem um plantel fantástico. Principalmente quando se diz que o Alex telles apenas sabe correr em frente e cruzar, que o Danilo não sabe construir, que Filipe só da pau, que o André Silva é apenas um puto, que o André André é uma aberração, que o soares é jogador de equipa pequena, etc etc.

    É preciso escolher uma das versões. Ou são jogadores inferiores aos do slb, ou entao fazem parte de um plantel fantástico.

    Na minha opinião, o plantel do Porto é razoável, nada de especial.
    Cumprimentos

    • O André Silva é um dos jogadores mais elogiados neste blogue. O Oliver foi aqui referido como o melhor jogador do campeonato. O Brahimi é um dos jogadores preferidos, em Portugal, de muita gente que por aqui passa, seja qual for o clube. O teu problema é que és doente mas isso tem cura, por acaso. Basta deixares de ser pitosga.

      Este FCP ainda é pior do que o Leicester, nem que seja porque o Leicester não tinha jogadores de qualidade nem qualquer obrigação de vencer nada. Este FCP quer tudo à força e tem boas condições de contexto para o conseguir. Acontece que o Leicester demonstrou que a força só resulta uma vez.

      • Se alguém percebe alguma coisa quer de mentiras repetidas à exaustão quer de decisões arbitrais em campeonatos é a malta do FCP, por isso é ouvir com atenção e aprender.

      • Parabéns a ti que não és pitosca. Conseguiste resumir a três jogadores do Porto aquilo que é uma equipa formidável!

        Vou ficar à espera da tua apreciação relativamente ao Filipe, ao Alex telles, ao soares, ao Danilo, ao André André, ao marcano. Isto se não fores intelectualmenteh desonesto.

        A não ser que consideres que 3 ou 4 jogadores fantásticos em 11 ou num plantel signifique ser-se formidável.

        Fico a espera, não fujas ao assunto

  6. Sim o porto joga demasiado direto, sim não tem qualidade ofensiva e depende quase unicamente da imaginação de Braihimi, mas este título clickbait foi triste…

  7. Ser portista não implica ter que defender o clube em tudo e apoiar cegamente a equipa, aliás deve-nos levar a ter maior espirito crítico e a olhar com maior preocupação para o clube. Como portista, tenho obviamente que concordar com grande parte do que foi escrito.

    Independentemente se a comparação com o Leicester é a melhor ou não( até é em algumas coisas), o que mais importa no texto é a análise ao futebol praticado e ao facto de a equipa se manter na luta acima de tudo pela crença e foco num objetivo, espírito de grupo( pelo menos para fora e quem acompanha minimamente passa a ideia de um grupo de jogadores humildes,profissionais e que querem muito muito ganhar) a juntar a desiquilibrios individuais de alguns jogadores e capacidade física de outros( o que faz a diferença a defender e a atacar seja em bolas paradas ou jogo direto). O Porto não ganha pela qualidade coletiva, ganha apesar disso.

    A verdade é que pode se dar o mérito ao Nuno por isso, por ter escolhido os jogadores com estas características( não dou porque não escolheria mas ele ganha em certas áreas que ele considera importante), por ter focado jogadores que pareciam pouco profissionais( Brahimi) e por ter unido a equipa. No entanto, é muito difícil achar que é possível fazer outra época assim ou que o Porto está num bom caminho para se voltar a afirmar como a maior potência do futebol português, porque ganhe ou perca este ano, não demos nenhum passo de gigante em frente.

    Quanto à qualidade individual em relação ao Benfica, não não acho o Porto superior, mas tendo em conta o estilo de jogo, a verdade é que linha defensiva mais Danilo são muito fortes e depois Oliver e Brahimi não são jogadores deste campeonato e são para mim os melhores jogadores do campeonato a par do Jonas(em forma). Não esquecer que mais uma vez dentro do estilo o Soares também é muito importante, porque finaliza bem e é um monstro físico. Por isso sim as individualidas têm feito muito a diferença.

    • André,

      Para mim enquanto portista é clarinho que o NES é bastante limitado e que o Porto não joga nada de especial. Não me custa admitir.

      Agora, dizer se que o plantel do Porto é formidável já é entrar num domínio da cegueira.

      Temos 2 foras de série (brahimi e Oliver) e um Danilo monstro este ano.

      De resto, e como tem sido dito sempre aqui, dos restantes titulares nenhum caberia no 11 do Slb. Isto é um plantel fantástico? Formidável? Até janeiro os pontas de lança eram depoitre e André Silva vs Jonas, mitroglu e jimenez! E nem vou falar nos laterais e nos extremos!

      • Admito que formidável seja exagerado, mas há que ver contexto, formidável em relação a 90 % da liga é, e mesmo em relação a anos anteriores é um upgrade claro. É inferior ao do Benfica? É verdade que é, mas o Benfica tem muita gente em subrendimento também…

        Mas nos outros jogos, sem ser com Benfica, a diferença é gigantesca, a verdade é essa, uma equipa que não se expõe e que tem os monstros defensivos que tem claro que vai sofrer poucos golos, depois tem sido a tal mais valia individual( nas bolas paradas e através de Brahimi) a fazer de facto a diferença.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*