O dia em que o Benfica se agigantou na Europa

Uma autêntica lição de bem defender no PORMENOR.

Colectivamente não havia em 2014 muitas equipas mais bem trabalhadas que o Benfica. Com individualidades bastante melhores do que as da actualidade, o resultado foi uma aula de brilhantismo em plena Itália perante uma Velha Senhora com Tevez, Llorente, Pogba, Vidal, Pirlo, Chiellini, Bonucci e Buffon.

COMECE PELO FIM – O último lance da Meia Final em Turim:

LIGUE 🔊🔊🔊 E DELICIE-SE

Conteúdos exclusivos na página de Patronos (aqui)
Por um valor simbólico (a partir de 1 Euro / mês) não só tem acesso a novos conteúdos, como dá uma preciosa ajuda ao projecto a pagar os softwares de análise. Muito obrigado!

Follow
Follow

3 Comentários

  1. Se por ventura o cabeceamento sai melhor…

    Off topic, deixo uma pergunta:
    O que se consegue treinar nos treinos que algumas equipas têm feito?

  2. Era um Benfica forte colectiva e individualmente (Oblak, Siqueira, Garay, Markovic, Enzo, Gaitán, Lima, Rodrigo), mesmo assim não conseguiu ganhar nenhum dos jogos ao Olympiakos (na Grécia com muita azelhice e falta de qualidade na finalização) e foi atropelado em Paris para a Champions.

    A Juventus era incrível em termos individuais mas não era tão competente noutros departamentos.

    Mesmo assim, recordo um sofrimento imenso no jogo em Turim. A superioridade física e técnica da Juventus era evidente nos pormaiores e ainda mais nos pormenores. O Benfica teve enormes dificuldades em roubar a bola ao adversário. Com bola, o raramente conseguiu trocar mais de dois passes e o Enzo ainda fez o brilharete de conseguir ser expulso em meia dúzia de minutos.

    Mesmo na primeira-mão o cenário não foi muito diferente, talvez um pouco mais de coragem do Benfica para agredir com bola mas o que salvou o resultado foi uma tremenda eficácia a finalizar (ainda no outro dia estive a recordar no youtube, que golo do Lima!), elemento que escapou à Juventus em 180 minutos.

    Foi uma eliminatória incrível, na linha de outras no clube, como que a recordar que a sorte dá muito trabalho! A Juventus teve tudo na mão mas uma certa desinspiração no último terço garantiu a estabilidade do muro construído pelo JJ!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*