Bem-vindo ao Euro, João! – Pormenores da entrada de Palhinha frente à França

“Dei tudo o que tinha de mim, foi o que o treinador me pediu, e cumpri o meu trabalho. O treinador pediu-me para ser mais posicional e dar solidez ao meio campo, de forma a não dar espaço aos médios deles e a Griezmann.”

João Palhinha, no pós-jogo

O empate de Portugal frente à França que garantiu a passagem aos oitavos de final do campeonato da europa coincidiu com a estreia de João Palhinha na competição (devido a uma infelicidade de Danilo no lance da primeira grande penalidade) e o médio do Sporting não se deixou impressionar pelo contexto (momentos limite à beira da eliminação frente à seleção campeã do mundo), cumprindo de forma exímia e personalizada o seu papel durante a 2ª parte, demonstrando que é claramente uma das soluções a ter em conta para a posição 6 (a luta por um lugar no miolo começa a ficar feroz). Em relação aos pormenores da noite, muito daquilo a que fomos (e bem) habituados na Liga NOS esta época:

  • O perfil físico que se impõe – combinação de capacidades condicionais (força, resistência, potência) que, alicerçadas nas características volitivas (muita agressividade positiva a roçar a impetuosidade), lhe permitem ter sucesso nos duelos individuais mesmo contra jogadores com porte semelhante como Pogba, Tolisso ou Sissoko e capacidade de chegada em pressão (come metros com grande facilidade).
  • A tranquilidade com bola – mesmo na tensão do contexto, o médio não se escondeu do jogo dentro da pressão francesa nem se coibiu de pedir jogo para iniciar a construção, combinando alguns passes longos com saídas em progressão/drible pelo corredor central (o lance em que senta Pogba é delicioso), sendo estes aspetos em que tem demonstrado uma evolução notável.
  • O sentido posicional – apesar da abrangência de espaço defensivo no 1-4-1-4-1 da seleção ser ligeiramente diferente do 1-5-2-3 do Sporting (fica mais posicional no modelo de seleção), cumpriu exatamente com o que lhe foi pedido: vigilância do espaço à frente da defesa com particular atenção à mobilidade de Griezmann nas costas/lado do 6 e em momentos de maior aperto eventualmente até juntar à linha (situações de cruzamento particularmente).
Sobre Juan Román Riquelme 67 artigos
Analista de performance em contexto de formação e de seniores. Fanático pela sinergia: análise - treino - jogo.

5 Comentários

  1. Bernardo a 10 num 442 losango!
    Bernardo a 10 num 442 losango!
    Bernardo a 10 num 442 losango!

    Só assim jogaremos como equipa grande e os dois avançados sejam eles quais forem serão devidamente alimentados e o resto do jogo equilibrado!!!

    Mas nãooo, teimam em pôr o Bernardo na linha a fazer piscinas porra pá!

    O Maradona se tivesse sido colocado sempre a extremo na sua carreira nem da Argentina tinha saído pá!!! Com o Bernanddo é exatamente igual!!!!

    Neste particular tanto Leonardo Jim nos seus tempos no Monaco como Guardiola nestes anos no City são culpados por encostar Bernardo à linha e fazê-lo passar literalmente ao lado de uma carreira de maestro e mostrar todo o seu potencial na sua verdadeira posição: a 10 atrás de um ou (preferencialmente) 2 avançados. Fernando Santos esse limita-se a copiar…
    Mas intriga-me também o próprio Bernardo não fazer finca pé para jogar na sua real posição de forma regular? Será que a sua possível saída do City estará relacionada com isso? Espero que sim e também espero que Bernardo antes de mudar de clube fale com o futuro treinador para perceber se a visão deste é essa mesmo (mesmo que seja um clube de média dimensão e não um Barcelona ou assim onde poderá ter o mesmo problema.

    Acordem pá!!! Lembrem-se dos banhos de bola com 442 losango e Bernardo a 10 que Portugal deu no Europeu de Sub21 de 2o15, demos 5 a 0 a Alemnha nas meias finais!!!!

    Maradona preso na linha em toda a carreira seria apenas isto, compreendem?

    Bernardo a 10 num 442 losango!

    Acho que esta análise dava um artigo interessante aqui no Lateral Esquerdo.

    Dean Saunders

    • O finca pé..

      Sai do Benfica para não ser lateral,
      Sai do City para não ser extremo,
      A seleção tem que adotar um losango para o Bernardo ser o maestro.

      Claro.

  2. Palhinha Renato e Bernardo/Bruno Fernandes, são para mim os homens certos no meio campo da seleção e na frente Ronaldo mais sobre a esquerda com Renato e guerreiro a vez a fechar, jota na direita com Bernardo a dar a possibilidade de jota poder ter bola no pé e não ter que correr atrás desta, e André Silva a servir de pivot de ataque aproveitando ainda a inteligência deste no arrastamento da defesa deixando assim clareiras que podem ser exploradas pelos médios bem com os 2 extremos…

    Um alerta ainda para Semedo que não está bem não só defensivamente como tb a atacar, muito diferente do jogador que assinou pelo Barcelona, sem capacidade nem pulmão para criar e ser solução, dalot nos poucos minutos de ontem mostrou cabedal e inteligência para ser se calhar a melhor opção para o jogo com a Bélgica

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*