Diário do CAN 2021, Dia 3: Grupo D

Grupo D, Jornada nº 1

Outro dos grandes jogos desta primeira jornada colocou frente a frente a Nigéria com aquela que mais vezes conquistou o título, a equipa do Egito. A equipa de Carlos Queiroz chega aos Camarões com a ambição de conquistar o troféu pela 8ª vez.

Num duelo muito equilibrado, a equipa de Carlos Queiroz ficou condicionada desde cedo, quando perdeu o seu lateral direito por lesão e teve de o substituir. A Nigéria sempre muito forte fisicamente, destacando-se pelo porte já conhecido dos seus jogadores, com dois avançados fortíssimos que deram muito trabalho à linha defensiva dos Faraós. As Super Águias, por sua vez, querem repetir a proeza conseguida pela última vez em 2013 e levar o troféu para a Nigéria. Demonstrou claramente neste jogo, onde foi superior que é também uma equipa a ter em conta para chegar à final. Com uma Nigéria mais ousada e perigosa, numa insistência pelo corredor esquerdo, após cruzamento a bola sobrou para Kelechi Iheanacho que finalizou com toda a categoria, inaugurando o marcador na partida. A equipa do Egito com dificuldades para conseguir ligar o jogo, abusou nas solicitações na profundidade para Mo Salah ao longo da primeira parte.

Na segunda parte, com alguns ajustes, Mo Salah e Mostafa Mohamed passaram a jogar mais próximos da zona central, com Trezeguet a cair na ala direita.

A Nigéria continuou a acercar-se com muito perigo da baliza egípcia, sendo detentora das primeiras oportunidades de golo do segundo tempo. Um Egito com poucas oportunidades, que ainda assim, por intermédio de Mo Salah ia tentando o golo, tendo conseguido uma excelente oportunidade após ficar na cara do guarda-redes perto do minuto 70, mas muito pressionado não conseguiu fazer concretizar. Com o decorrer do tempo, o Egito abusou do jogo direto perante uma equipa que estava muito confortável com esse tipo de jogo. Apesar de serem duas equipas muito equilibradas e com ambições legítimas a conquistarem o título, admito que esperava mais da equipa orientada por Carlos Queiroz. No que à Nigéria diz respeito, estou muito curioso para assistir aos próximos desempenhos, num jogo que contou com Zaidu como titular e com Moses Simon, extremo do Nantes com grande destaque e um nome a acompanhar ao longo da competição. Do lado da Nigéria, Tyronne Ebuehi que representou o Benfica, não saiu do banco de suplentes. Por outro lado, Kelechi Nwakali que passou pelo Porto (ambos pelas equipas B), jogou os últimos minutos. Na equipa do Egito, Zizo (representou Moreirense e Nacional) jogou pouco mais de meia-hora.

Vídeo retirado do YouTube oficial da CAF

Entrou em campo aquela que é a seleção com mais jogadores conhecidos pelos campeonatos portugueses, a Guiné-Bissau. 

Os Djurtus entraram em campo com a difícil missão de vencer a seleção do Sudão, sendo a equipa que teve a melhor oportunidade de golo na sequência de um livre batido por Moreto Cassamá, o avançado Joseph Mendes rematou ao poste. A Guiné-Bissau com mais bola durante a primeira parte, mas reais ocasiões de perigo não existiram para nenhum dos lados, tratando-se assim de um primeiro tempo menos apelativo para quem assistiu. Terminou com um remate expontâneo de Mohamed Abdelrahman, que poderia ter criado alguma surpresa no resultado ao intervalo.

Numa equipa sem grandes destaques individuais, onde prevaleceu o equilíbrio entre os seus jogadores, foi mesmo Mohamed Abdelrahman o que tentou fazer a diferença. O avançado do Al-Hilal do Sudão, fez o que podia para que os Falcões levassem a vitória desta partida. A grande oportunidade da segunda parte foi uma grande penalidade assinalada a favor dos Djurtus que foi desperdiçada por Pelé e na recarga Piqueti rematou à barra. Logo de seguida, após uma saída em falso de Ali Aboeshren, Frédéric Mendy rematou contra o defesa adversário que salvou a equipa de sofrer o golo.

Apesar de ter sido um jogo muito dividido e equilibrado, a Guiné-Bissau teve oportunidades claras para poder ter saído do encontro com a vitória.

Este jogo contou com caras bem conhecidas dos portugueses, Bura (Farense), Fali Candé (Portimonense), Pelé (Ex-Rio Ave), Sori Mané (Moreirense), Moreto Cassamá (Ex-FC Porto), Jefferson Encada (Leixões), Mama Baldé (Ex-Aves) e Piqueti (Ex-Académica) foram titulares. Frédéric Mendy (Vitória FC) e Panutche Camará (Ex-Vitória SC) entraram na segunda parte. Simão Júnior (Vilafranquense) e Manuel Baldé (Vizela) não saíram do banco.

Vídeo retirado do YouTube oficial da CAF

FlashScore.pt

Sobre Zidane 19 artigos
André Azevedo. Treinador de Futebol (UEFA B). Licenciado em Educação Física. Mestre em Ciências do Desporto (Especialização em Alto Rendimento). Experiência como Treinador-Adjunto e Principal de escalões de Formação, assim como Analista, Preparador Físico e Treinador-Adjunto no Futebol Sénior em contextos como CD Tondela, FC Paços de Ferreira e Seleção Nacional de Moçambique, respectivamente.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*