O que esperar de Paulo Bernardo?

Desde que chegou ao comando da equipa A do Benfica, Nelson Veríssimo tem uma aposta clara: Paulo Bernardo. Mas afinal o que se pode esperar deste médio que já pedia o salto na equipa B e que é admirado por todos os treinadores que teve?

Muitos poderão dizer que até à data, P.Bernardo não tem feito jogos de encher o olho não é de todo mentira. Mas será que veio acrescentar alguma coisa mesmo que individualmente ainda não tenha mostrado tudo o que se espera dele?

A nossa resposta é: Sim. O jovem médio pode jogar a 8 e a 10 e não se pode esperar que venha resolver todos os problemas do Benfica. Não esperem que seja um prodígio no sentido das fintas e um ás nos golos. Paulo Bernardo não é esse jogador. Não é esperado que seja um jogador que resolva jogos sozinho. Contudo, o que podemos esperar é que as suas características venham a fazer sobressair as qualidades dos colegas que o rodeiam.

Paulo Bernardo é um jovem jogador que vem trazer mais qualidade em organização ofensiva (o Benfica até agora era muito transições e falta de ideias em organização), vem trazer critério, definição, ligação entre o setor médio e avançado e depois tem uma capacidade de reação à perda, resistência física e agressividade superior a João Mário.

Certo é que o 4x3x3 com Paulo em campo, veio oferecer mais estabilidade ao meio campo do Benfica e é na segunda parte do jogo em Arouca e na primeira do jogo com o Boavista, que coletivamente sem se ser brilhante, já se viram alguns processos, algumas ideias e onde a equipa sentiu mais segura.

Por hoje, o Benfica ainda é uma equipa a assimilar um novo sistema de um novo treinador. Ainda parece não existir processos, ainda parece não haver rotinas e com tudo isto, nenhum jogador consegue brilhar. Porém, se os resultados melhorarem e a equipa conseguir crescer, Paulo Bernardo tem tudo para ser um dos rostos desta segunda volta.

Sobre EdgarDavids 58 artigos
Analista de Desempenho Coletivo e Individual & Técnico de Exercício Físico.

1 Comentário

  1. Estabilidade no meio-campo? Em que jogo? Realmente mais vale cair em graça do que ser engraçado. Diz muito do que somos e pensamos até sobre a vida quando um Dantas (cito este apenas por facilidade e não estou a dizer que é melhor do que o Bernardo, podia falar do B. Silva por exemplo, estou a falar de algo mais profundo e que ultrapassa quimeras pessoais) não tem um minuto na equipa principal e este já leva não sei quantos jogos a titular. Não sei que carreira vai fazer mas, normalmente, quem não é forte no essencial (receber e passar a bola, por exemplo) não costuma chegar longe. Depois é pesado e grandalhão mas não ganha uma no corpo nem protege bem a bola, enfim, é grande mas não é grande coisa. Não conheço bem o atleta e também não me interessa para nada desmanchá-lo (espero que eu seja o vesgo aqui) mas todos estes minutos têm sido sofríveis. Insuportáveis. Nem a andar me agrada. Lamento. O mesmo vale para o Ramos: acumula minutos patéticos, nervosos, inquietos, sem uma ponta de cérebro, não acerta uma simples recepção de bola, não dá seguimento a uma jogada. Dizem vocês que é o avançado tecnicamente mais evoluído, pois, isso diz muito dos jogadores do Benfica (para mim é claramente o Yaremchuk mas voltamos ao mesmo problema). Estes rapazes têm uma atitude que também não me agrada nada, sobretudo demonstram uma espécie de soberba e também aquela banga de gajo que se sente injustiçado por jogar pouco e tal, ou seja, estes fedelhos estão loucos (posso estar enganado porque não os conheço e nesta questão o Bernardo parece-me bem – mas falta o resto, pelos vistos). Por mim iam passar uns tempos ao N. Forest ou ao Granada para ver um bocado da vida e conhecer umas gajas diferentes e beber uns cafés mais aguados. Digamos também que os últimos plantéis do Benfica, e a maior parte dos jovens que andaram na equipa principal, são um bom exemplo da mediocridade institucional em que o clube está mergulhado. Não há milagres.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*