Haverá vida depois de Messi? – Possibilidades ofensivas na Catalunha

“Os jogadores passam. Como disse Laporta, o clube está sempre acima de qualquer um.”

Lionel Messi

Depois de todos os discursos e de derramadas todas as lágrimas, finalmente tivemos a estreia em competição de um Barcelona sem Messi (nem escrevendo parece real). O argentino foi durante quase mais de uma década o principal foco da organização ofensiva dos catalães (com influência crescente nesta fase do jogo ao sair do papel de extremo ou de falso 9 para uma dinâmica posicional de criativo puro) mas o momento é de seguir em frente e tentar perceber qual o novo rumo do modelo de Koeman. Apesar do defeso acidentado (com dificuldades na inscrição dos reforços, inclusivé), a estreia na La Liga correu pelo melhor (vitória por 4-2 frente à Real Sociedad) e já com alguns apontamentos interessantes de um coletivo que terá de voltar a centrar-se em si e no poder associativo da cultura de jogo do clube (algo sobre o qual já nos debruçámos num artigo anterior) para colmatar a saída de Leo.

Para representar isto trazemos um lance desse mesmo jogo, representando a organização ofensiva nas três fases (construção, criação, finalização) na sua estrutura de 1-4-3-3:

  • Saída em construção com muitos elementos no primeiro terço e distâncias curtas entre os mesmos. Formação de um losango de construção com o GR, os dois centrais (Piqué do lado esquerdo, uma novidade) e o seis (saída em 2+1), laterais num posicionamento baixo e interiores numa linha logo a seguir. A construção curta visa essencialmente a procura do homem livre enquadrado neste espaço para depois acelerar pela ligação em passe à fase seguinte.
  • Dinâmica de falso-nove na frente (Depay) com os extremos largos (particularmente Braithwaite, quase colado à linha), alargando a linha contrária permitindo assim que os movimentos de apoio do avançado centro sejam complementados com roturas pelos half-spaces (como foram feitos por De Jong e Alba no lance abaixo) originando situações de 1×0+GR por via de combinações curtas a solicitar esses movimentos à profundidade.
Sobre Juan Román Riquelme 67 artigos
Analista de performance em contexto de formação e de seniores. Fanático pela sinergia: análise - treino - jogo.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*